Justiça nega revogação de prisão de mãe que matou filha recém-nascida no Gonzaga

O pedido da defesa foi negado pela Vara do Júri de Santos; advogada estuda, agora, pedir habeas corpus junto ao Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP)

Comentar
Compartilhar
27 JUL 2018Por Gilmar Alves Jr.17h21
Corpo foi atirado por duto do sexto andar em lixeira de condomínioCorpo foi atirado por duto do sexto andar em lixeira de condomínioFoto: Divulgação/Polícia Civil

A Justiça negou o pedido de revogação da prisão preventiva da ex-ginasta Ana Carolina Moraes da Silva, de 29 anos, acusada de matar a filha recém-nascida no Gonzaga ao atirá-la do 6º andar em um duto de lixo no final de junho.  

Com a negativa da Vara do Júri de Santos, a defesa estuda ingressar com um pedido de habeas corpus junto ao Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP).

Entre os argumentos da advogada Letícia Giribelo Gomes do Nascimento para que Ana Carolina responda em liberdade está o de que a filha de 2 anos da ex-ginasta tem o direito do contato com a mãe na primeira infância (de 0 a 6 anos).  A menina está com a avó paterna e com o pai.

Ana Carolina afirma que pensou ter sofrido um aborto espontâneo e diz atirou, em desespero, o corpo do sexto andar para não assustar a filha de 2 anos. Já para a acusação, ela  premeditou o homicídio. 

A advogada diz acreditar que a cliente encontrava-se em estado puerperal – nome técnico para depressão pós-parto.

Nos argumentos da defesa também está o de que Ana Carolina não tem antecedentes criminais.

"Nunca se envolveu com criminalidade (...) Essa foi uma situação pontual exatamente por conta desse estado dela (puerperal)".

Ela nega que tentou asfixiar a criança e laudo do Instituto Médico Legal (IML) não aponta que houve a prática.

Presa preventivamente desde o final de junho, Ana Carolina deverá ser submetida, em data ainda a ser marcada, a uma avaliação psiquiátrica por um pedido da defesa.

A acusada está na Penitenciária de Tremembé I, no interior paulista, desde o último dia 3, após ser transferida da cadeia feminina anexa ao 2º Distrito Policial de São Vicente.

Acusação

O promotor de Justiça Fernando Reverendo Vidal Akaoui, da Vara do Júri de Santos, está convicto de que Ana Carolina premeditou matar a filha. Em entrevista ao Diário do Litoral no último dia 13, ele declarou que Ana Carolina não comunicou a gestação para a família e sequer fez pré-natal.

"Ela escondeu de todo mundo essa gravidez até o final", declarou o representante do Ministério Público Estadual (MPE).

A advogada Letícia Giribelo afirma não acreditar que a cliente agiu de forma premeditada e diz que ela soube da gravidez de modo tardio.

Para o promotor, o resultado da avaliação psiquiátrica da ré apontará que ela praticou o crime de forma consciente.

Já Letícia tem opinião contrária: "Tenho muita convicção de que esse laudo psiquiátrico venha positivo para alteração psíquica", declara.

Pai

O pai da recém-nascida e ex-companheiro de Ana Carolina responde em liberdade pelo crime de favorecimento pessoal.  De acordo com o promotor, com a divulgação do encontro do cadáver pela imprensa local, ele incentivou Ana Carolina a tomar dinheiro emprestado com familiares para deixar a cidade. A Reportagem procurou a defesa dele, por telefone, e ainda aguarda retorno.