Polícia

Justiça nega liberdade a Dr. Jairinho e reprodução simulada em hospital

De acordo com a magistrada, a defesa de Jairinho já havia impetrado um habeas corpus para ele após sua ex-companheira Monique Medeiros, mãe de Henry, passar para prisão domiciliar

Folhapress

Publicado em 23/06/2022 às 20:47

Comentar:

Compartilhe:

Ex-vereador do RJ é acusado de ter assassinado o filho de sua companheira / Tânia Rêgo/Agência Brasil

A juiz Elizabeth Louro, da 2ª Vara Criminal do TJ-RJ (Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro), negou nesta quinta-feira (23) o pedido da defesa do ex-vereador Dr. Jairinho para que sua prisão preventiva fosse revogada.

A magistrada responsável pelo caso do menino Henry Borel também rejeitou outros pedidos da defesa do político feitos em audiência em que Jairinho foi ouvido na semana passada, como a realização de uma reprodução simulada no hospital Barra D'Or, para onde a criança foi levada no dia de sua morte. Os pedidos -agora negados- refletem a estratégia adotada pela equipe de advogados de Jairinho.

Faça parte do grupo do Diário no WhatsApp e Telegram.
Mantenha-se bem informado.

De acordo com a magistrada, a defesa de Jairinho já havia impetrado um habeas corpus para ele após sua ex-companheira Monique Medeiros, mãe de Henry, passar para prisão domiciliar: "Estando ambos os feitos pendentes de julgamento, pelo que a questão, agora, encontra-se 'sub judice'", escreveu Elizabeth Louro.

Quanto ao pedido de reprodução simulada -quando os investigadores e testemunhas encenam novamente a dinâmica do crime- no hospital Barra D'Or, na zona oeste do Rio.

Outros pedidos negados foram a oitiva de novas testemunhas, como as médicas, a enfermeira e o radiologista que participaram do atendimento de Henry no Barra D'Or, além dos auxiliares de necropsia do IML (Instituto Médico-Legal) -responsáveis por fotografar o corpo da criança.

A Justiça também rejeitou o pedido das imagens das câmeras de segurança da unidade de saúde.

RELEMBRE O CASO

Henry morreu em 8 de março de 2021, após ser levado por Jairinho e Monique para o hospital durante a madrugada. Os laudos periciais apontam 23 lesões no corpo do menino, e que Henry morreu em decorrência de hemorragia interna e laceração no fígado causada por ação contundente.

O casal foi preso em 8 de abril de 2021.

Em 6 de maio do ano passado, o MP-RJ (Ministério Público do Rio de Janeiro) denunciou Jairinho por homicídio triplamente qualificado, tortura e coação de testemunha. Já Monique foi denunciada pelos crimes de homicídio triplamente qualificado na forma omissiva, tortura omissiva, falsidade ideológica e coação de testemunha.

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

Cotidiano

Festa da Tainha começa neste final de semana em Praia Grande

Atração gastronômica ocorre no Pavilhão de Eventos Jair Rodrigues

Santos

Aprenda e jogue! ODS vira tema de jogo de tabuleiro e digital

Board game também estará disponível para celular e computador

©2024 Diário do Litoral. Todos os Direitos Reservados.

Software

Newsletter