Justiça converte para preventiva prisão de padre acusado de estuprar garoto em Guarujá

Seguranças do Shopping La Plage flagraram o crime, em banheiro, e contiveram o pároco até a chegada da Polícia Militar

Comentar
Compartilhar
10 DEZ 2019Por Gilmar Alves Jr.20h23
O padre, que é de SP, foi preso em flagrante na noite de segunda-feira (9)

O padre Anderson de Moraes Domingues, que atua na Zona Sul de São Paulo, foi preso em flagrante na noite desta segunda-feira (9) acusado de estuprar um menino de 14 anos na cabine de um banheiro no Shopping La Plage, na Praia de Pitangueiras, em Guarujá. Ele ingressou no centro de compras com mais um garoto, de 13 anos, após oferecer aos meninos um milkshake, e também foi indiciado pelo crime de “favorecimento da prostituição ou outra forma de exploração sexual de vulnerável”. 

Os dois meninos vendiam balas em um semáforo quando foram abordados pelo padre. 

Em audiência de custódia, nesta terça-feira (10), foi convertida para a preventiva a prisão em flagrante do religioso, segundo a assessoria de imprensa do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP). 

Seguranças do shopping flagraram o crime, por volta das 19 horas, após receberem informações, via rádio, de que o padre havia entrado no banheiro com os dois garotos. 

Por baixo da porta da cabine, um dos seguranças viu o padre com as calças abaixadas abusando sexualmente do menino de 14 anos, que estava parcialmente nu. Ainda segundo os seguranças, Anderson “agarrava o menino à força”. 

Ao se desvencilhar do padre, segundo o registro do caso, o menino saiu por baixo da porta. Na sequência, os seguranças arrombaram a estrutura e contiveram o padre até a chegada da Polícia Militar. 

O pároco foi levado à Delegacia Sede de Guarujá, onde foi autuado em flagrante na presença de seu advogado. A Reportagem procurou o defensor, por telefone, mas não conseguiu contato até a conclusão deste texto. 

Oitiva dos garotos 

Os dois meninos disseram à Polícia Civil que após ingressarem no shopping com Anderson foram à área de recreação do centro de compra. Alguns minutos depois, segundo a versão dos garotos, o padre agarrou o pênis do mais velho. 

Os garotos disseram que ficaram assustados e foram até o banheiro.

Ainda segundo eles, o padre os seguiu e agarrou o menino de 14 anos contra a sua vontade e fez sexo oral no garoto dentro da cabine. Na sequência, diz a vítima de estupro, o padre passou a encostar o pênis em suas nádegas, sem penetração. 

O outro garoto chegou a deixar o banheiro após urinar e presenciou a chegada dos seguranças e toda a ação que resultou no flagrante. 

Diocese

Anderson é pároco na Paróquia Sagrado Coração de Jesus, no Parque Ipê, em São Paulo, há 11 anos. Por meio de nota, a Diocese de Campo Limpo, comunicou,  através de seu bispo diocesano,  que serão tomadas, no âmbito eclesiástico, “as medidas cabíveis segundo a legislação canônica” e que repudia qualquer tipo de comportamento em desobediência à legislação civil, canônica, à moral e aos bons costumes da sociedade. 

“Os alegados fatos serão investigados pelas autoridades competentes, devendo ser apurado e punido qualquer que seja o delito cometido”, diz a Diocese. 

A Diocese afirma nenhuma infração anterior do pároco era de conhecimento da Igreja. Afirma ainda que prossegue “comprometida em seguir as determinações da Igreja para tais casos, além de estar, através de seus membros, unida em oração pelos que sofrem”.