Polícia

Julgamento de acusado de matar Ricardo Joaquim é adiado novamente

Defesa do policial militar Anderson Willians da Silva decidiu abandonar o plenário, no Fórum da Barra Funda, após ter dois requerimentos indeferidos.

Gilmar Alves Jr.

Publicado em 17/04/2017 às 18:18

Comentar:

Compartilhe:

Ex-secretário de Governo de Guarujá, Ricardo Joaquim foi executado com três tiros em março de 2012 / Árquivo/DL

Enviado a São Paulo 

O julgamento popular do policial militar Anderson Willians da Silva, acusado de matar o ex-secretário de Governo de Guarujá, Ricardo Joaquim, foi novamente adiado. A sessão, no Fórum da Barra Funda, em São Paulo, chegou a ser iniciada às 15h55 desta segunda-feira (17), mas foi interrompida pouco depois das 16h após o advogado do réu, Alex Sandro Ochsendorf, decidir abandonar o plenário após ter dois requerimentos indeferidos pela juíza Marcela Raia de Sant'anna.

A nova data deve ser marcada entre os meses de junho ou julho, segundo informou a assessoria de imprensa do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP).

Um dos requerimentos negados foi sobre busca imediata, com o júri em andamento, das munições da pistola de calibre .45 que desapareceram, fato até então desconhecido nos autos, segundo o Ochsendorf. O segundo requerimento foi a inclusão das bilhetagens de Estações de Rádio Base (ERBs) de telefonia celular relacionadas ao cliente para serem usadas em plenário, mas houve discordância do Ministério Público Estadual (MPE) devido a prazo.

Ochsendorf disse que o perito contratado Domingos Tochetto "teria a necessidade de mexer com todos esses materiais (projéteis e arma) na frente dos jurados". Somente um dos projéteis apreendidos na cena do crime foi enviado ao Fórum da Barra Funda e está deformado, segundo o advogado. O mistério sobre o paradeiro da arma permanece.

"É impossível realizar um julgamento com tamanha falta de informação (sobre as munições e a arma), que vai gerar uma dúvida que seja prejudicial", sustenta Ochsendorf.

O promotor do MPE Fabio Perez Fernandez afirmou após o adiamento que mais uma vez ocorreu uma estratégia de defesa de querer "fugir do julgamento".

"A defesa juntou um calhamaço de aproximadamente mil folhas (bilhetagens) sem respeitar o prazo legal de três dias úteis de antecedência. A acusação só teve ciência nesse exato momento", afirmou Fernandez.

Ochsendorf diz que a prova das bilhetagens não é nova e está no processo desde 2012. Ele afirmou que só apresentou cópias porque elas não tinham chegado no Fórum da Barra Funda.

O crime

Segundo a denúncia do MPE, Silva cometeu o delito com cobertura do ex-PM George de Almeida. O crime ocorreu durante uma reunião política em Vicente de Carvalho e, segundo a denúncia, foi cometido a mando dos empresários Felício Bragante e Edis Vedovatti. O ex-PM, que responde preso, e os empresários, soltos, ainda não foram julgados e também negam o crime.

Conforme a denúncia, os empresários ordenaram a morte após o ex-secretário descumprir um “acordo” para extinguir ou reduzir débitos de IPTU de uma extensa área no Jardim Virgínia.

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

Diário Mais

Vale do Ribeira tem caverna assustadora que enche os olhos dos turistas; saiba como chegar

O nome é um pouco assustador e fica ainda mais assustador quando você descobre a formação rochosa que se assemelha a um crânio

Cotidiano

Tem dúvidas? Empresa lança site exclusivo sobre o pedágio Free Flow no Litoral de SP

Endereço eletrônico contém informações e sessão para usuários fazerem perguntas

©2024 Diário do Litoral. Todos os Direitos Reservados.

Software

Newsletter