Homicídios, roubos e latrocínio caem na Capital em abril e no quadrimestre

Homicídios têm o menor índice da série histórica desde 2001, com 9,69 mortes intencionais por 100 mil habitantes. Latrocínios caem 43,75% em abril

Comentar
Compartilhar
25 MAI 201514h08

A Capital encerrou os quatro primeiros meses do ano com queda nos principais indicadores de criminalidade, entre eles os roubos e furtos em geral e de veículos. Os quatro indicadores juntos tiveram redução de 9,3%. Os latrocínios e os homicídios dolosos também diminuíram, com 26,92% e 2,61% casos a menos de janeiro a abril, respectivamente.

Se observado apenas o mês de abril, o recuo das mortes intencionais foi de 13,83%, o menor índice da série histórica. Nos últimos 12 meses, a taxa de homicídios por grupo de 100 mil habitantes fechou abaixo dos dois dígitos: 9,69 – o menor patamar alcançado pela Capital na história.

Os indicadores apontam que, isoladamente, os roubos de veículo caíram 26,13% em quatro meses na cidade de São Paulo – menor número desde o primeiro quadrimestre de 2011, quando foram registradas 12.218 ocorrências. Em números absolutos o indicador contabilizou 13.578 casos de janeiro a abril deste ano, contra 18.380 no mesmo período de 2014.

Se compararmos apenas o mês de abril, as ocorrências dessa natureza caíram 27,75%, quando foram registrados 3.260 casos. O indicador está em queda há 11 meses consecutivos, na cidade de São Paulo.

Já os furtos de veículo apresentaram redução de 9,01% nos primeiros quatro meses do ano. Passaram de 17.021 casos em 2014, para 15.487 neste ano - uma diferença de 1.534 casos. O recuo também é observado na comparação mensal. A queda é de 14,17% (de 4.433 para 3.805). O índice é o menor desde 2011, quando foram registrados 3.475 furtos de veículos.

Os roubos em geral caíram 3,04% de janeiro a abril de 2015. No período, o indicador registrou 52.930 ocorrências, ante 54.589 nos primeiros meses de 2014. Se considerarmos apenas o mês de abril, foram 13.129 roubos neste ano, contra 13.909 no ano passado - redução de 5,61%.

Os furtos em geral, que não incluem veículos, também estão em queda desde janeiro e já acumulam um recuo de 9,9% - a queda, em números absolutos, foi de 64.095 casos no primeiro quadrimestre de 2014, para 57.748 no mesmo período deste ano. Trata-se do menor índice para o período desde o ano de 2010, quando foram registrados 50.633 furtos.

Em abril, houve diminuição de 11,84% nos furtos, com 2.045 registros a menos. A Capital passou de 17.278 casos de furtos em abril de 2014, para 15.233 no mesmo mês deste ano. O número representa o menor número para um mês de abril desde 2010, quando houve 12.202 registros.

Já os furtos de veículo apresentaram redução de 9,01% nos primeiros quatro meses do ano (Foto: Divulgação)

Proteção à vida

A taxa de homicídios dos últimos 12 meses – de maio de 2014 a abril de 2015 –, ficou novamente abaixo do limite considerado “endêmico” pela Organização Mundial da Saúde (OMS), que é de 10 mortes a cada 100 mil habitantes. O índice foi de 9,69 casos a cada grupo de 100 mil residentes em São Paulo.

De janeiro a abril, os homicídios dolosos tiveram queda de 2,61%. Nos primeiros quatro meses deste ano foram 373 mortes intencionais, contra 383 no mesmo período de 2014. O dado representa o menor número para um primeiro quadrimestre desde 2012, quando houve 361 ocorrências.

Em abril, os homicídios dolosos caíram 13,83%, passando de 94 para 81 boletins de ocorrências dessa modalidade criminal. A redução de 13 mortes intencionais leva o mês ao menor índice da série histórica, que teve início em 2001.

Os latrocínios recuaram 26,92%. De janeiro a abril deste ano foram 38 casos, ante 52 no mesmo período de 2014. O dado representa o menor índice desde 2012, quando foram registrados 31 roubos seguidos de morte. Na comparação entre os meses de abril, a diminuição foi de 43,75%, com sete casos a menos.

Com queda de 16,01% no primeiro quadrimestre, os estupros caíram 843 para 708 casos, ou seja, 135 ocorrências a menos. O número representa o menor número desde 2008, quando foram registrados 408 casos. Na comparação mensal a diminuição chegou a 18,54%, com 167 estupros registrado em abril deste ano.

As extorsões mediante sequestro apresentaram recuo de 55,56% no quadrimestre, passando de nove para quatro registros. O único caso observado em abril leva esse indicador ao total mais baixo da série histórica mensal desde 2011, quando não houve registro dessa modalidade criminal. No quarto mês de 2014, foram dois casos.