X
Polícia

Homem que matou e enterrou ex-mulher no quintal é condenado a 17 anos de prisão em Guarujá

Crime ocorreu em agosto de 2020 e chocou a população da Baixada Santista. Após mudar a versão do depoimento, o réu corria risco de ser inocentado

Condenado por matar ex-mulher e enterrá-la o quintal tem sentença de 17 anos / Divulgação

O homem que matou a ex-mulher durante uma briga e a enterrou no próprio quintal em Guarujá, foi condenado a 17 anos e 4 meses de prisão, nesta quinta-feira (30). Com sete testemunhas de acusação e três de defesa, o julgamento durou cerca de 12 horas. 

O assassino, de 44 anos, foi condenado por homícidio triplente qualificado, em razão de feminicídio, por motivo torpe, impedimento de defesa e ocultação de cadáver.A pena totalizou 17 anos e 4 meses de prisão, já constando a redução por bom comportamento carcerário e por réu primário.

O crime ocorreu em agosto de 2020, durante uma discussão sobre o pagamento da pensão alimentícia de seus dois filhos. A mulher levou dois tiros na cabeça e depois foi enterrada no quintal da casa do assassino, localizada no bairro Jardim Virgínia, em Guarujá. A mulher foi dada como desaparecida por 10 dias, quando o envolvimento do ex-marido começou a ser uma suspeita aos policiais.

Faça parte do grupo do Diário no WhatsApp: https://bit.ly/diariodolitoral
Mantenha-se bem informado.

Ele foi preso provisoriamente, e acabou confessando o crime. Em depoimento à Polícia Civil, o acusado alegou que buscou a ex-esposa no trabalho e, chegando à residência dele, ela teria começado a gritar e a tentar agredi-lo. Para "assustá-la" ele usou uma arma de fogo para "assustá-la", segundo ele sem qualquer intenção de usar. O gatilho teria sido puxado sem querer durante a confusão, atingindo a mulher duas vezes na cabeça, que não resistiu e morreu. Ele a enterrou no quintal de sua residência para que o crime não fosse descoberto pelas autoridades.

O homem apontou a localização do corpo, que estava enterrada em seu quintal. A prisão preventiva se tornou provisória, o acusado estava na Penitenciária de Tremembé até o momento do julgamento desta quinta.

O longo julgamento alcançou doze 12 horas de duração. Em seu depoimento, a versão do réu chegou a ser alterada. No relato anterior ele confessou ser o autor do homicídio; agora ele afirma que foi, na verdade, a atual companheira dele que teria matado Rosana.

A atual esposa dele, que seria a principal testemunha de defesa, não compareceu ao júri marcado para agosto e o julgamento foi adiado. Dias depois, ela morreu devido à complicações provenientes de um câncer de mama.

O advogado assistente de acusação disse que celebra a condenação, pois ainda havia o risco de absolvição. A expectativa inicial da acusação era que a pena fosse fixada entre 25 e 30 anos de prisão.

Deixe a sua opinião

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

Cotidiano

Neymar vence prefeitura de Santos em briga judicial

A Neymar Sport e Marketing tem como sócios Nadine Gonçalves e Neymar da Silva Santos, pais do atleta do Paris Saint-Germain e da Seleção Brasileira

Brasil

Governo: Mário Frias contrata por quase R$ 4 milhões empresa sem licitação e sem funcionários

A sede da empresa seria uma caixa postal em um escritório virtual a 2.400 km do Rio de Janeiro

©2021 Diário do Litoral. Todos os Direitos Reservados.

Software