Golpe que envolve Pix e falso Uber circula em Santos e cidades vizinhas; entenda

Vendedores afirmam que valor ainda não havia caído na conta no momento em que motoristas de Uber foram retirar pacotes

Comentar
Compartilhar
02 AGO 2021Por Da Reportagem12h00
Tentativas de golpe devem ser avisadas às autoridadesTentativas de golpe devem ser avisadas às autoridadesFoto: Reprodução

Um golpe executado por estelionatários que se utilizam do método de pagamento por Pix e dos "serviços" de falsos motoristas de Uber para enganar vendedores e conseguir obter produtos de forma ilícita chegou à Baixada Santista e casos começaram a ser registrados nesta semana.

Esse tipo de esquema já teve registros em outras cidades de São Paulo e também em outros Estados. Em um caso ocorrido em Minas Gerais, dois homens foram presos utilizando o método de estelionato. Em resumo, os criminosos entram em contato com as vítimas perguntando sobre algum tipo de produto que foi anunciado pela internet. Em seguida, os estelionatários confirmam a intenção de adquirir e afirmam que pedirão uma corrida por meio do aplicativo Uber para que o motorista do app retire o item 'comprado' enquanto efetuam a transferência dos valores por Pix.

O dinheiro, entretanto, não chega à conta das vítimas e quando o falso Uber encosta na frente da casa dos vendedores, os estelionatários garantem que já efetuaram o pagamento pelo Pix e que podem entregar as compras ao motoristas porque o valor combinado 'já saiu da conta' dos criminosos e deverá ser creditado em breve.

Tudo isso, entretanto, não passa de um esquema para subtrair o item sem pagar por ele.

LITORAL.

Na Baixada Santista, o proprietário de uma panificadora afirmou ter passado pelo mesmo tipo de situação na última semana de julho. Uma pessoa não identificada entrou em contato com o estabelecimento comercial e efetuou uma compra no valor de R$ 300,00 e afirmou que um falso motorista de Uber retiraria o pedido em seu lugar enquanto ele fazia uma transferência por Pix.

Após o falso motorista de app chegar ao local, os donos do local verificaram que o valor acordado não havia sido recebido e o comprador insistiu que o pedido deveria ser entregue porque o dinheiro 'já estaria caindo na conta do local' em instantes.

Ao perceber que se tratava de um golpe, as vítimas se recusaram a entregar os itens e a pessoa que entrou em contato bloqueou o telefone da panificadora.