Coronavírus

Funcionários de presídio em Mongaguá são mantidos reféns em motim

Há ao menos sete reféns, conforme informações obtidas pelo Diário do Litoral

Comentar
Compartilhar
16 MAR 2020Por Gilmar Alves Jr.20h26
Há trabalhos de busca com helicóptero e policiais militares e civis estão em campo para as recapturasFoto: Reprodução

Após a fuga em massa no Centro de Progressão Penitenciária (CPP) de Mongaguá, ao menos sete funcionários da unidade são mantidos reféns na noite desta segunda-feira (16), conforme informações obtidas pelo Diário do Litoral.  A negociação para a liberação das vítimas ocorre neste momento. Não há informação de feridos. 

Duas fontes que atuam na segurança pública ouvidas pela Reportagem afirmam que um dos motivos da rebelião, que não é isolada, já que há outros motins em unidades do Estado, pode ser o descontentamento da cúpula do Primeiro Comando da Capital (PCC) com a rigidez do regime federal em que estão lideranças, incluindo o chefe máximo, Marcos Camacho, o Marcola, preso na Penitenciária Federal de Porto Velho (RO). 

Recentemente, ainda conforme as fontes, houve um “salve” (ordem) da facção para que presos se recusem a ir a audiências nos processos a que respondem, o que chegou a ser constatado em casos na Região. 

Na fuga em massa desta segunda-feira em Mongaguá deixaram a unidade correndo, pela porta da frente, ao menos 200 detentos. As informações iniciais apontavam cerca de 400, mas foram corrigidas por policiais. 

Devido à fuga, há trabalhos de busca com helicóptero e policiais militares e civis estão em campo para as recapturas. 

O porta-voz da Polícia Militar na Baixada Santista e Vale do Ribeira, capitão Elisiário, por sua vez, ressaltou que devido à fuga a corporação está intensificando as ações, “direcionando o policiamento para as principais rotas que os presos podem ter pego para recapturá-los e devolvê-los ao sistema prisional”. 

O CPP, que é de regime semiaberto, tinha 2.796 detentos, conforme dados da SAP referentes até o último dia 13, divulgados no site da pasta. 

Em nota, a Secretaria da Administração Penitenciária (SAP) afirmou que a unidade, por ser de regime semiaberto, não possui vigilância armada por determinação da legislação brasileira.

“A pasta está tomando as devidas providências para sanar o problema”, diz.

Veja vídeo: