Foto mostra suspeito de matar o menino Iury em SV; paradeiro do homem é mistério

O suspeito é conhecido como Goiás e teria sido agredido por populares devido ao encontro do corpo

Comentar
Compartilhar
28 SET 2020Por Gilmar Alves Jr.18h00
Maneira como Goiás saiu ou foi retirado da residência segue sob investigaçãoFoto: Reprodução

Uma foto registrou caído e bastante ferido o suspeito de matar o estudante Iury Júnior Pereira Silva, de 14 anos, no Parque das Bandeiras, na Área Continental de São Vicente. O suspeito é conhecido como Goiás e morava há cerca de dois meses em uma casa na Rua José Gomes Henriques, onde o corpo do menino foi achado parcialmente enterrado. O registro do homem ferido é junto a uma parede do mesmo imóvel. 

Ainda é um mistério para a Polícia Civil a motivação do homicídio. Após ser agredido por um grupo de pessoas devido à descoberta do crime, o suspeito conseguiu escapar. 

Ele é conhecido como Goiás porque veio do município de Itumbiara, daquele estado, segundo a polícia. 

A irmã de Iury, que em buscas por conta própria achou o corpo no último sábado (26), prestou depoimento por cerca de 2h nesta segunda-feira (28) na 3ª Delegacia (Homicídios) da Divisão Especializada de Investigações Criminais (Deic) da Baixada, no Palácio da Polícia. 

Chinelo

Morador da Gleba II, Iury estava desaparecido desde a noite do dia 23, quando saiu de bicicleta e chegou a ser visto na companhia de Goiás. 

Na tarde de sábado a irmã do menino e populares abordaram Goiás na frente da casa onde ele mora e a irmã do menino, uma auxiliar administrativa de 26 anos, achou um chinelo do garoto no interior da residência. Após diversas perguntas, Goiás admitiu que o menino estava no quintal, sendo o corpo encontrado parcialmente enterrado. 

Quando policiais chegaram à casa, Goiás não estava mais e no imóvel havia sinais claros de depredação. Grande quantidade de cordas foi achada, assim como manchas de sangue em uma das paredes. 

Denúncias

Informações sobre o paradeiro de Goiás devem ser transmitidas pelo telefone 181 (Disque-Denúncia) ou pelo telefone 197.