Foragido por homicídio no CE é preso na barbearia onde trabalhava em Santos

Xuxinha estava sentado, aguardando clientes, quando foi surpreendido por policiais da 1ª Delegacia da Deic da Baixada

Comentar
Compartilhar
23 SET 2020Por Gilmar Alves Jr.18h02
Salão onde a captura ocorreu; no detalhe, a foto da vítima, Francisca Etelvina da Silva, que tinha 57 anosFoto: Nair Bueno/DL e Reprodução

Foragido da Justiça pelo assassinato a tiros de Francisca Etelvina da Silva, de 57 anos, e pela tentativa de homicídio do filho dela, de 18, em Juazeiro do Norte (CE), um cabeleireiro foi preso na tarde desta terça-feira (22) na barbearia onde trabalhava, na Praça Visconde de Itaboray, no Estuário, em Santos. Conhecido no Ceará como Xuxinha, o foragido, de 18 anos, aguardava clientes quando foi surpreendido por policiais da 1ª Delegacia da Divisão Especializada de Investigações Criminais (Deic) da Baixada Santista.

A equipe do delegado Luiz Ricardo de Lara Dias Júnior, titular da delegacia, e do investigador-chefe, Paulo Carvalhal, realizou diversas apurações até chegar ao paradeiro do foragido. Na investigação foram reunidas imagens de Xuxinha em Santos, através de rede social. Nas imagens, ele aparece na barbearia e a passeio, na Praia do Embaré.

Francisca foi morta na tarde do dia 12 de agosto, quando interveio no momento em que, segundo a investigação da Polícia Civil cearense, Xuxinha e um segundo envolvido chegaram à residência dela com o intuito de assassinar o filho dela.

Enquanto Francisca tentava impedir a ação, na entrada da moradia, foi alvejada. O filho correu e não foi atingido pelos disparos.

Ao ser abordado na barbearia nesta terça-feira, Xuxinha admitiu que veio para Santos com o intuito de não ser preso no Ceará. Ele estava com mandado de prisão preventiva decretado desde 3 de setembro. O outro envolvido já está preso, segundo a polícia.

Xuxinha disse aos policiais de Santos, em interrogatório formal, que Francisca foi morta “por acidente” e que a sua intenção naquela tarde era apenas ir com o amigo à residência por conta de uma briga anterior com o filho da vítima.

O Núcleo de Homicídios e Proteção à Pessoa de Juazeiro do Norte apurou que o crime foi motivado por conflito entre facções criminosas rivais.