Estado tem aumento de 113% em apreensões de maconha e bate recorde

Foram apreendidas pela Polícia Militar e Polícia Civil de São Paulo 117,2 toneladas de maconha entre março a julho deste ano, segundo dados da SSP

Comentar
Compartilhar
22 SET 2020Por Gazeta de S. Paulo11h30
De acordo com policiais, uma das explicações para o aumento é o fechamento temporário de aeroportos e portos durante a quarentena, que represou a droga em São PauloFoto: Divulgação/Polícia Civil

Foram apreendidas pela Polícia Militar (PM) e Polícia Civil de São Paulo 117,2 toneladas de maconha entre março a julho deste ano, segundo dados da Secretaria da Segurança Pública (SSP). A quantidade representa um aumento de 113% em relação ao mesmo período do ano passado, quando foram apreendidas 55,1 toneladas de cannabis sativa, nome científico da maconha.

Os dados mostram que houve um aumento de 40% no número de presos apontados por policiais como traficantes Cracolândia, no centro da Capital, local conhecido pela venda e consumo de drogas.

De acordo com policiais, uma das explicações para o aumento é o fechamento temporário de aeroportos e portos durante a quarentena, que represou a droga no estado, fazendo com que o produto ilícito circulasse mais dentro das cidades e nas estradas.

“Os fatores que identificamos é que o aumento das apreensões, principalmente maconha, se deu com a dificuldade em mandar essa droga para outros mercados, como o europeu e o americano, em decorrência da pandemia”, diz o delegado Helton Luis Jablonski Padilha, do Departamento Estadual de Prevenção e Repressão ao Narcotráfico (Denarc) da Polícia Civil ao “G1”.

Rota

A maconha costuma entrar no Brasil pelo Mato Grosso do Sul, vindo do Paraguai, segundo a polícia. Os traficantes cooptam motoristas de caminhões e oferecem até R$ 10 mil para eles transportarem a droga.

“A pandemia aumentou a oferta para o mercado nacional da droga no estado de São Paulo. Setores de inteligência identificaram maconha até dentro de carga de arroz”, diz o delegado.
Durante a pandemia, o Departamento Estadual de Prevenção e Repressão ao Narcotráfico apreendeu sozinho 6 toneladas de drogas.