‘Ela não tem limite. Tem que ser tirada das ruas’

Quatro dias após matar turista, A.R.F.M.S. comete assalto.

Comentar
Compartilhar
12 JAN 201310h13

O trabalho de captura da adolescente A.R.F.M.S, de 15 anos já mobiliza todo o efetivo da Polícia Civil de Praia Grande. Na noite de quinta-feira (10), a adolescente, que continuava foragida até o fechamento desta edição, se envolveu em mais um crime. O delito ocorreu quatro dias após A.R.F.M.S. matar o turista Rafael Abbatipietro Nunes Rosa, de 29, com um tiro no peito.

Dessa vez, a vítima foi um comerciante. Por volta da 0h, o homem parou seu Siena prata, na Rua Marquesa de Santos. Agindo novamente com dois comparsas armados, A.R.F.M.S. abordou a vítima, subtraindo seu veículo.

O comerciante registrou ocorrência no 1º DP. Em seu depoimento, ele descreveu a adolescente e a reconheceu em álbum fotográfico. Policiais civis percorreram diversas ruas de Praia Grande e avistaram o veículo ocupado pelo trio. Entretanto, no momento da abordagem, um caminhão ficou entre os dois carros. Os criminosos aproveitaram para fugir do veículo e seguir em direção a uma favela.

A investigadora do 1º DP Sílvia Pamplona afirmou ontem que a polícia tem trabalhado de forma ininterrupta para a captura de A.R.F.M.S. “Estamos checando todas as informações possíveis, indo em todos os endereços indicados”, explica Sílvia. Para a investigadora, A.R.F.M.S. se mostra uma pessoa muito audaciosa. “Ela não tem limites, é uma pessoa perigosa. Ela tem que ser tirada das ruas o mais rápido possível”, afirma.

Segundo a Polícia Civil, na abordagem ao comerciante, A.R.F.M.S utilizou o mesmo revólver da investida contra o turista. Ainda de acordo com Sílvia, a polícia trabalha também para capturar o terceiro envolvido na morte do turista. Comparsas Na quinta-feira, Bruno Florindo Peres, de 23, apontado como comparsa da adolescente foi capturado. Um terceiro envolvido na morte do turista é procurado.