Dona de floricultura reconhece suspeito de enviar buquê com bomba

Homem visitou o estabelecimento três vezes e questionou se poderia enviar um presente junto com as flores

Comentar
Compartilhar
08 JAN 2021Por Gazeta de S. Paulo17h07
Pacote e buquê enviados à casa da vítimaFoto: Reprodução/Record TV

O principal suspeito de ter enviado um buquê de flores com uma bomba para a casa de Edileuza Santos, em Francisco Morato, na Grande São Paulo, foi reconhecido por funcionárias de uma floricultura como autor do crime. Segundo a polícia, o homem é ex-companheiro da vítima e afirmou a familiares que vai se apresentar nesta sexta-feira.

O suspeito esteve no estabelecimento três vezes, de acordo com o relato da dona e de uma funcionária da floricultura. A loja fica em Franco da Rocha, também na Grande São Paulo.

A primeira visita foi para saber se era possível, além de encomendar flores, entregar junto um presente, que ele mesmo levaria. Após dois dias, o homem voltou, escolheu o buquê e saiu para buscar a encomenda. No mesmo dia, ele voltou com o presente e para buscar as flores.

De acordo com as testemunhas, o motoboy que fez a entrega é terceirizado e ficou chocado ao saber do crime pela TV. "Ele ficou nervoso, que ele falou: 'se eu passo numa lombada e aquilo explode nas minhas costas?'", disse a funcionária da floricultura à “Record TV”.

Término

O homem é um ex-namorado de Edileuza. Ela terminou orelacionamento ao descobrir que ele era casado. Contudo, a mulher do suspeito foi ouvida e disse que eles estavam separados, mas dividiam a mesma casa.

Em entrevista à “Record TV”, a vítima revelou que já sofria ameaças. "Ele já estava me ameaçando, já tinha falado que ia me achar que qualquer jeito. Tanto que na terça-feira eu ia fazer o b.o. Eu cheguei a falar com a minha sobrinha: 'acho que eu vou ter que fazer um B.O., pq estou com muito medo'", contou.