Detido por tráfico de drogas, Homem Picanha tem a prisão revogada em SP

Policiais do Denarc apreenderam com ele cocaína, ketamina, ecstasy e maconha em outubro; ao ser questionado, afirmou que é garoto de programa e que vendia os tóxicos aos clientes

Comentar
Compartilhar
23 NOV 2020Por Gilmar Alves Jr.18h23
Homem Picanha ficou conhecido nacionalmente em 2010 ao invadir o gramado da Vila BelmiroFoto: Reprodução

Adenilson Nobre da Silva, que ficou conhecido nacionalmente como Homem Picanha ao invadir o gramado da Vila Belmiro em 2010, foi preso em flagrante por tráfico de entorpecentes na região central de São Paulo em 19 de outubro e teve a prisão revogada na última sexta-feira (20). Ele deixou o Centro de Detenção Provisória (CDP) II de Pinheiros nesta segunda-feira (23)

A policiais do Departamento Estadual de Prevenção e Repressão ao Narcotráfico (Denarc), que realizaram a prisão e apreenderam cocaína, ketamina, ecstasy e maconha, ele afirmou, em outubro, que é garoto de programa e que vendia os tóxicos a clientes.

Homem Picanha já residiu em São Vicente e foi candidato duas vezes a vereador, em 2012 e 2016, quando respectivamente obteve 225 e 186 votos, não se elegendo em ambas.

Submetido a uma audiência de custódia em razão da prisão por tráfico, Adenilson teve a prisão em flagrante convertida em preventiva, que se estendeu até a última sexta-feira (20).

Defendido pelos advogados Aureo Tupinamba, de Santos, e Anderson Domingues, da capital, Homem Picanha teve a prisão preventiva revogada pelo juiz Gerdinaldo Quichaba Costa, da 13ª Vara Criminal do Fórum da Barra Funda, que entendeu não haver mais elementos de necessidade da garantia da ordem pública com a prisão, “podendo esta ser garantida com medidas cautelares diversas da prisão”.

As medidas impostas são proibição de ausentar-se da comarca por mais de oito dias sem autorização judicial; recolhimento domiciliar noturno a partir das 19h, até as 6h, salvo necessidade de trabalho legal, mediante autorização judicial, ou em hipótese de urgência, por motivo de saúde e obrigação de manter o endereço atualizado.

Tupinamba e Domingues afirmam, em nota, que irão provar a inocência de Homem Picanha e dizem que ele não tem vínculo com as drogas apreendidas.