Detento tem pontas de dedos decepadas em fechamento de cela no CDP de São Vicente

Devido à superlotação da cela, segundo relato de agente penitenciário à Polícia Civil, não havia condições adequadas de visibilidade no interior dela

Comentar
Compartilhar
03 AGO 2020Por Gilmar Alves Jr.18h56
Com capacidade para 842 detentos, o CDP tem uma população carcerária de 2.267 presos.Foto: Divulgação/SAP

Um acidente no fechamento de uma cela do Centro de Detenção Provisória (CDP) de São Vicente feriu um detento de 24 anos, que teve as pontas de três dedos da mão decepados na noite da última sexta-feira (31). Devido à superlotação da cela, segundo relato de agente penitenciário à Polícia Civil, não havia condições adequadas de visibilidade no interior dela. Com capacidade para 842 detentos, o CDP tem uma população carcerária de 2.267 presos, conforme o último balanço divulgado. 

O acidente foi comunicado por um agente penitenciário do CDP ao 3° Distrito Policial de São Vicente (Jardim Rio Branco) na manhã desta segunda-feira (3).

O caso ocorreu às 20h25 de sexta, em um momento em que detentos retornavam a uma cela após terem participado de teleaudiências. Segundo um agente penitenciário que comunicou o caso à polícia, antes do acidente foram realizados procedimentos de praxe, como aviso de fechamento automático da porta.

Sob escola da Polícia Militar, o detento foi socorrido ao Pronto-Socorro do Humaitá, onde recebeu atendimento e foi liberado para retorno ao CDP na mesma noite.

No 3° DP de São Vicente, a ocorrência foi registrada como lesão corporal culposa (sem intenção) consumada.

SAP

Procurada pelo Diário do Litoral, a Secretaria da Administração Penitenciária (SAP) afirmou, em nota, que o detento manteve sua mão na área de fechamento da porta, após o aviso do fechamento automático, e teve os dedos imprensados. A pasta diz que foi aberto um Procedimento Apuratório Preliminar para elucidação dos fatos.

Ao ser questionada pela reportagem sobre como trabalha para diminuir a superlotação da unidade, a SAP disse o Governo do Estado vem adotando medidas que vão além da construção de presídios, como o incentivo à adoção de penas alternativas ao encarceramento, parcerias com o Poder Judiciário para a realização de mutirões.

“A SAP também apoia a realização de audiências de custódia, que tem colaborado de forma decisiva para reduzir o número de inclusões de pessoas presas em flagrante no sistema penitenciário”, afirma.

“Em 2019 inauguramos cinco unidades prisionais e outras oito estão em construção, sendo que sete dessas serão inauguradas ainda em 2020. Com o aumento dessa infraestrutura, serão cerca de mais 7 mil vagas que serão incorporadas ao sistema penitenciário paulista”, diz a SAP.