Com prisão decretada, acusado de matar músico segue foragido

Suposta arma do crime foi apreendida pela polícia nesta quarta-feira à noite; carro usado na execução também está recolhido

Comentar
Compartilhar
01 ABR 201512h15

A Justiça decretou no final da tarde desta quarta-feira a prisão preventiva do mergulhador profissional Thiago Batista de Barros, o Chupeta, de 30 anos, acusado pela morte do cantor Daniel Nunes Aquino, o Dan Nunes. O acusado permanece foragido.

Na noite desta quarta-feira, policiais do 3º Distrito Policial de Santos apreenderam em um terreno baldio na Rua Alberto Veiga, no Marapé, a suposta arma usada no crime, um revólver de calibre 38 com numeração raspada.

Os investigadores foram ao local acompanhados do advogado do acusado, Alex Sandro Ochsendorf, que indicou a localização. Havia dois cartuchos, um deflagrado e um intacto. Uma perícia vai apontar se a arma foi a usada no homicídio.

Ainda nesta quarta-feira, no início da tarde, Ochsendorf apresentou o Vectra Hatch preto usado na execução. Peritos do Instituto de Criminalística (IC) iniciaram ainda durante a tarde exames para detecção de resíduos de pólvora.

Policiais do 3º Distrito Policial de Santos apreenderam em um terreno baldio a suposta arma usada no crime (Foto: Gilmar Alves Jr/DL)

A vítima foi morta com um tiro nas costas, na madrugada da última segunda-feira, após se apresentar em um bar na Rua Oswaldo Cochrane, no Embaré, em Santos. O advogado do mergulhador diz que o cliente agiu sob violenta emoção após uma "injusta provocação".

"O detalhamento será melhor explicado durante a investigação, o que gerou essa injusta provocação e porque ele agiu dessa forma", declarou Ochsendorf aos jornalistas ontem à noite, nas dependências do 3º DP.

O advogado afirma que o cliente diz a todo instante "que fez uma grande besteira". Ainda conforme Ochsendorf, Thiago Barros declara esteve em uma casa noturna antes de ver a vítima, por acaso, em frente ao bar. "Aconteceu alguma coisa no momento que acabou disparando a atitude dele", diz.

O defensor informou que pedirá até sexta-feira a revogação da prisão preventiva ao plantão do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP). Ainda disse que orientou o cliente a não se apresentar enquanto houver mandado de prisão.

Responsável pelo inquérito, o delegado Jorge Álvaro Gonçalvez Cruz informou que o homem que estava com Thiago Barros no carro já está identificado, mas também não foi localizado. A expectativa é a de que ele se apresente nos próximos dias para ser ouvido.

Ainda nesta quarta-feira, no início da tarde, Ochsendorf apresentou o Vectra Hatch preto usado na execução (Foto: Diário do Litoral)

Ameaça em 2012

Em 9 de fevereiro 2012, o cantor esteve no 3º DP de Santos para comunicar que Chupeta fez ligações dizendo que "ia pegar ele". O motivo seria o envolvimento de Dan Nunes com uma comerciante que hoje tem 31 anos e mantinha um relacionamento com Chupeta. Para a polícia, o ciúme do mergulhador da comerciante motivou o crime.

A mulher está separada de Chupeta há mais de um ano, mas fez dois registros neste ano, na Delegacia de Defesa da Mulher (DDM) de São Vicente, relacionados a ameaças do ex-companheiro. No mais recente caso, no último dia 20, a mulher contou à polícia que foi chutada, xingada, teve os cabelos puxados e foi ameaçada de morte após Chupeta ver que ela tinha apagado conversas no celular. A gerente esteve na casa de Chupeta para buscar o filho, cujo ex-companheiro é o pai.