X
Polícia

Defesa tenta na Justiça anular cassação do mandato de Jairinho

Jairinho foi cassado por unanimidade no dia 30 de junho deste ano

Ex-vereador do RJ é acusado de ter assassinado o filho de sua companheira / Tânia Rêgo/Agência Brasil

A defesa do ex-vereador Jairo Souza Santos Júnior, o Jairinho (sem partido), entrou com mandado de segurança na 7ª. Vara de Fazenda Pública do TJ-RJ (Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro), pedindo a nulidade do decreto legislativo que declarou a perda do mandato dele por conduta incompatível com o decoro parlamentar.

Jairinho foi cassado por unanimidade no dia 30 de junho deste ano. Foi o primeiro registro de cassação do mandato de um vereador na história da Câmara Municipal do Rio de Janeiro.

Faça parte do grupo do Diário no WhatsApp e Telegram.
Mantenha-se bem informado.

O ex-vereador é acusado na Justiça pela morte do enteado Henry Borel, de 4 anos, no dia 8 de março deste ano. Segundo investigações policiais, o menino foi espancado em casa pelo padrasto. Jairinho está com a prisão preventiva decretada desde o dia 8 de abril, junto com a mãe do menino, Monique Medeiros.

Em ação contra o presidente da Câmara, Carlo Caiado, e a Mesa Diretora da Casa, o advogado Berilo Martins da Silva Netto pede a nulidade do decreto legislativo que declarou a perda de mandado de Jairinho.

O advogado enumera cinco motivos para que não houvesse perda de mandato. Berilo Netto diz que não houve quebra de decoro parlamentar, que "não foi homenageada a presunção de inocência de Jairinho", que os crimes impostos a seu cliente "não têm o condão de afastar a presunção de inocência", nem "se amoldam aos dispositivos regimentais da quebra de decoro parlamentar".

Por fim, o advogado pede a nulidade do decreto parlamentar afirmando que "não se poder criar um novo tipo regimental para configurar quebra de decoro parlamentar".

O vereador Chico Alencar (PSOL-RJ), que faz parte da Comissão de Ética da Câmara Municipal, disse no dia do julgamento que o que foi votado é se houve quebra de decoro. "Jairinho cometeu abuso de poder, tráfico de influência e mentiu quando disse que o pequeno Henry caiu da cama, o que foi desmentido pela perícia técnica."

Em nota, a Câmara Municipal do Rio informou que ainda não tinha sido citada sobre a ação.

Deixe a sua opinião

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

Eleições 2022

Após Moro dizer que Lula 'arregou', PT afirma que não dará holofotes a ex-juiz

Em postagem no Twitter, Moro disse que Lula "arregou" ao pedir para o partido desistir por ter "medo das verdades incômodas que iriam surgir"

Saúde

Busca por telemedicina cresce mais de 60% em 30 dias

Casos suspeitos de Covid-19 sobem quase 120% no período, segundo aplicativo Dr. Alper

©2021 Diário do Litoral. Todos os Direitos Reservados.

Software