Caso Ricardo Joaquim: Vídeo será investigado

Feita dentro de um veículo, supostamente no dia da morte de Ricardo Joaquim, gravação pode trazer novidades

Comentar
Compartilhar
28 NOV 201216h18

O procurador de Justiça José Kalil de Oliveira e Costa expediu ofício solicitando a investigação de um vídeo que deve trazer novidades em relação a morte do ex-secretário de governo do Guarujá, Ricardo Augusto Joaquim de Oliveira, de 47 anos.

O ex-homem forte do Guarujá foi executado quando conduzia uma reunião política no Jardim Conceiçãozinha, em Vicente de Carvalho, no dia 8 de março. 

A gravação mostra a conversa de um homem, às 20h30, do dia 8, explicando os fatos que ocorreram no atentado a Ricardo Joaquim.  As imagens fazem parte de uma matéria transmitida pelo SBT em meados de novembro. 

O homem que ainda não foi identificado explica: “Seo Ari, seo Ari, seo Ari, deu ‘m’ aqui.  O Batata matou o cara! Ele matou o Joaquim, meu!”. O vídeo teria sido gravado com uma câmera instalada em um veículo Palio cinza, pago pela Prefeitura, a pedido de Ricardo Joaquim, dois meses antes de sua morte. 

O ex-secretário teria pedido para instalar a câmera com o objetivo de flagrar conversas e negociações envolvendo funcionários da Prefeitura. O procurador solicitou a investigação do vídeo para apurar o envolvimento de três pessoas citadas na gravação pelo homem, que não tiveram seus nomes citados nas investigações conduzidas pela Polícia Civil. 

Nota divulgada pelo site do Ministério Público de São Paulo explica a solicitação de Costa: “ofício requisitório aos delegados de polícia de Guarujá responsáveis pela investigação do crime para que adotem as medidas necessárias para a complementação das apurações relativamente a outras pessoas apontadas como suspeitas do homícidio”. 
 
O texto ainda faz referência a matéria do SBT. “Reportagem exibida por uma emissora de televisão menciona três novos “suspeitos” do caso que não teriam sido investigados e afirma que a Polícia deu o caso como “esclarecido”. Até o momento, quatro pessoas foram presas apontadas como responsáveis pela morte de Joaquim. Dois empresários do ramo de alumínio, um PM e um ex-PM. 

Ricardo Augusto Joaquim de Oliveira, foi morto no dia 8 de março, em Vicente de Carvalho (Foto: Arquivo/DL)

Colunas

Contraponto