Caso Matheus: Polícia concentra esforços para encontrar arma do crime

Buscas são realizadas nas galerias pluviométricas do bairro Boqueirão, em Santos. Suspeito, que confessou ter atirado contra universitário, segue detido no 5º DP

Comentar
Compartilhar
10 MAR 201511h29

Após ter prendido o suspeito de ter assassinado o universitário Matheus Demétrio Soares, de 19 anos, a Polícia Civil, agora, concentra esforços para encontrar o revólver calibre 38, utilizado na noite do crime.

Jeferson Oliveira da Cruz, de 20 anos, confessou ter atirado contra o estudante e, em seguida, se livrado da arma em uma galeria em uma das vias do bairro. 

A Polícia iniciou as buscas pela arma no último sábado (7), com auxílio de funcionários da Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp) e da Progresso e Desenvolvimento de Santos (Prodesan), mas nada foi encontrado. “Os técnicos nos disseram que existe a possibilidade ainda da arma ser localizada na galeria. Na manhã de terça-feira (10), nós realizaremos outras diligências, com equipamentos diferenciados, na tentativa ainda de localizar essa arma. Enquanto houver a possibilidade da arma ser localizada, uma vez que se trata de prova presencial inequívoca, pois permite a realização do exame balístico, a Polícia Civil continuará e insistirá nessas diligências. Somente quando os técnicos derem por fim as buscas, lastreados por informações técnicas que digam que a arma não poderá ser localizada, aí sim pararemos”, disse Luiz Ricardo Lara Dias Júnior, delegado titular da Delegacia de Investigações Gerais (DIG) e responsável pelo caso.

Lara Dias Júnior falou sobre as dificuldades para localizar o revólver. “Não só a questão do tempo, pouco mais de 30 dias entre a morte do Matheus e o início das buscas. No final do mês de fevereiro, nossa região foi acometida por um grande volume de chuvas, o índice pluviométrico aumentou muito e isso, analisado pelos técnicos, contribui para a dificuldade em localizar a arma”.

Matheus recebeu um tiro pelas costas após suspeito tentar roubar uma corrente (Foto: Reprodução/Facebook)

Prisão

O delegado esclareceu que, após um trabalho de investigação, aliado a informações passadas pela população, a equipe da DIG passou a seguir os passos do suspeito, até localizá-lo, no sábado (7), em uma casa noturna, no Centro de Santos. Jeferson foi levado para a delegacia e reconhecido por testemunhas como o autor do crime.

De acordo com Lara Dias Júnior, o suspeito demonstrou arrependimento. “O fato da confissão demonstrou, sim, certo arrependimento, a infelicidade do crime praticado. Ele alegou, inclusive, que o disparo foi acidental. Agora, uma pessoa que participa de uma banda carnavalesca portando arma de fogo, elege uma vítima, isso nos faz crer que o objetivo dele, de fato, era praticar crimes”.

A Polícia Civil também suspeita que Jeferson possa ter realizado outros roubos nas redondezas do local onde ocorreu o crime. Por isso, pede que as pessoas que tenham sido vítimas de algum crime sigam para a delegacia para realizar o reconhecimento do suspeito. “Assim poderemos responsabilizá-lo penalmente, não só pela morte do Matheus, mas por tantos outros crimes patrimoniais que ele venha ter praticado”, explicou o delegado.

Jeferson Oliveira da Cruz foi detido pela polícia no último sábado (Foto: Divulgação/Polícia Civil)

Suspeito errado

Lara Dias Júnior comentou a prisão realizada, pela Polícia Militar, de um suposto suspeito, no dia 11 de fevereiro. Após depoimento, o rapaz alegou inocência e foi liberado pela Polícia Civil. “O suspeito, tão logo soube do objetivo da polícia em localizar as roupas, foi se desfazer delas. As roupas ainda eram mantidas em sua posse. Essa roupa foi jogada ao lixo tão logo a prisão do outro suspeito, de forma equivocada, foi amplamente divulgada pelos meios de comunicação. Sob esse prisma, de fato, a detenção prejudicou as investigações pois impediu a realização de exames periciais que poderiam contribuir na produção probatória, técnica, dentro do inquérito”.

Com um mandado de prisão temporária de 30 dias, Jeferson Oliveira da Cruz está detido no 5º DP de Santos. Ele deverá responder pelo crime de latrocínio, que é o roubo seguido de morte.

Crime

Matheus Demétrio Soares, de 19 anos, foi baleado e morreu em frente à Universidade Santa Cecília, na Rua Oswaldo Cruz, no bairro Boqueirão, em Santos, na noite do dia 3 de fevereiro. Ele cursava o 2º ano de Sistemas de Informação e foi alvejado nas costas 

Os estudantes da universidade estavam reunidos em uma festa de um bloco de Carnaval, que ocorria no local. Um suspeito abordou Matheus já com a arma em punho por volta das 22h30, tentou roubar uma corrente do estudante e o baleou nas costas.

Viaturas da Polícia Militar, do Corpo de Bombeiros e do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) foram deslocadas para prestar atendimento, porém o rapaz não resistiu e morreu no local. 

Leia também: Caso Matheus: Morte de estudante completa um mês