Boliviano é morto após deixar casa de Olacyr de Moraes

A vítima, Andres Fermin Heredia Gusman, de 60 anos, levou ao menos três tiros dentro de seu automóvel, uma Cherokee blindada

Comentar
Compartilhar
04 ABR 201420h47

Um economista boliviano foi assassinado na tarde desta sexta-feira, 4, após sair de carro da casa do empresário Olacyr de Moraes, conhecido como rei da soja nos anos 1980. O crime aconteceu por volta das 12h na Avenida Morumbi, na zona sul da capital paulista, e foi praticado, segundo a Polícia Civil, por um motorista de Moraes.

A vítima, Andres Fermin Heredia Gusman, de 60 anos, levou ao menos três tiros dentro de seu automóvel, uma Cherokee blindada. A polícia informou que os disparos foram efetuados por Miguel Garcia Ferreira, de 61 anos, que há 38 anos trabalha para Moraes. Ele teria pedido uma carona para o economista, que teria sido suplente de senador na Bolívia, até a Avenida Oscar Americano.

No caminho, Ferreira sacou uma pistola .38 e a apontou para a cabeça de Gusman, que teria reagido. Nesse momento, segundo a polícia, Ferreira disparou quatro vezes - três balas acertaram a vítima. O carro acelerou e bateu em um poste. Ainda de acordo com a polícia, Ferreira, então, saiu da Cherokee, levando consigo uma sacola com R$ 399,9 mil. Em seguida, ele pediu carona a uma mulher cujo carro foi parado por policiais do Garra que estavam na região. As roupas de Ferreira estavam manchadas de sangue.

Os investigadores trabalham com a hipótese de que ele tenha "tomado as dores" de seu patrão, a quem Gusman "estava deixando triste", conforme teria dito aos policiais. Há a suspeita de extorsão e Moraes pode ser ouvido no decurso das investigações. Ferreira foi preso em flagrante por homicídio doloso. O caso está sendo investigado pela Delegacia de Roubos e Latrocínios. Segundo a Polícia Civil, Gusman fazia parte de uma câmara de comércio entre o Brasil e a Bolívia e tinha atividades no País desde 1972.