Bernardo vivia situação de abandono, dizem testemunhas

A retomada das audiências ocorreu no período em que Bernardo poderia estar comemorando os 12 anos, que teria completado no sábado, se estivesse vivo

Comentar
Compartilhar
08 SET 201419h47

Sete testemunhas arroladas pela acusação do caso Bernardo Boldrini prestaram depoimento à Justiça de Três Passos nesta segunda-feira, 08, e confirmaram que o garoto, encontrado morto em 14 de abril deste ano, era submetido a pressões psicológicas, descaso, provocações e situações de abandono pelo pai, o médico Leandro Boldrini, e a madrasta Graciele Ugulini.

A retomada das audiências ocorreu no período em que Bernardo poderia estar comemorando os 12 anos, que teria completado no sábado, se estivesse vivo. A comunidade não esqueceu e encheu as grades da casa onde ele vivia de flores e cartazes manifestando saudade e pedindo Justiça. O Ministério Público acusou o pai e a madrasta e mais os irmãos Edelvânia e Evandro Wirganovicz pelo crime.

Uma das testemunhas, a secretária da clínica de Leandro, Andressa Wagner, revelou que a madrasta chegou a falar em "dar um fim" no garoto ou interná-lo e que havia orientação para impedir o acesso de Bernardo ao local. A babá Elaine Wentz revelou que o pai e a madrasta chegaram a usar palavrões para se referir à mãe de Bernardo, Odilaine Uglione, que se suicidou em 2010, e queimaram as fotos dela. Graciele, em um acesso de raiva chegou a acusar o menino de ter matado a mãe e querer matar o casal. Outra babá, Lori Heller, que cuidou de Bernardo quando a mãe dele era viva, disse que Leandro trabalhava bastante e sempre pedia para ela cuidar bem de Bernardo.

Testemunhas afirmaram que Bernardo vivia situação de abandono (Foto: Arquivo Pessoal)

O empresário José Carlos Petry e sua mulher Juçara Petry, contaram que o garoto ia para a casa deles diversas vezes por semana, se queixava de não poder brincar com a irmã, filha do pai com a madrasta, de comer muitos ovos e recebia roupas emprestadas por eles para dormir.

Professora do Colégio Ipiranga, no qual Bernardo estudava, Simone Müller, relatou que o pai e a madrasta não foram à escola procurá-lo no dia do desaparecimento. Uma funcionária do colégio Rosane Neuhaus, recordou que na semana em que desapareceu Bernardo havia recebido a promessa de que ganharia um aquário e demonstrava alegria por isso.