Batalhão da Polícia Militar passa o feriado de Carnaval no escuro

Os ambientes não puderam ser climatizados e a falta de energia impossibilitou alimentação e banho dos policiais

Comentar
Compartilhar
01 MAR 2017Por Carlos Ratton11h50
O transformador do quartel queimou deixando efetivo da PM sem luz desde a última sexta-feira, véspera do Carnaval. Patrulhamento no entorno do imóvel foi reforçadoFoto: Rodrigo Montaldi/DL

Quatro dias de Carnaval sem luz, água e tendo que se utilizar de ligações improvisadas (as conhecidas gambiarras) para poder fazer refeições, tomar banho e até se comunicar. Isso ocorrer em uma residência comum, em pleno feriadão, já ficaria difícil, quanto mais, no quartel do 6º Batalhão de Polícia Militar do Interior (BPM/I), que também sedia o ­Comando de Polícia Militar do Interior, na Avenida Joaquim Montenegro (­canal 6), 282, em Santos.

A denúncia foi feita ontem, pelo presidente da Associação dos Cabos e Soldados de Santos, o também vereador Sérgio Santana (PR), que desde o último domingo, quando recebeu a informação de diversos policiais, vem tentando minimizar o estado precário em que os militares ficaram submetidos por conta de um transformador ­queimado. 

Os ambientes não puderam ser climatizados. A falta de energia impossibilitou alimentação e banho. Os policiais tiveram que passar as noites no escuro e sob forte tensão, visto que o quartel possui armamento que poderia ser alvo de roubos e furtos. Além da segurança pessoal dos policiais, que ficou comprometida”, revelou o vereador, alertando que o patrulhamento teve que ser reforçado em todo o entorno do imóvel para evitar possíveis ­invasões. 

Segundo Santana, o Centro de Operações da Polícia Militar (Copom), que também funciona no quartel e atende os chamados pelo 190, só não ficou prejudicado porque possui gerador próprio de energia. 

“O Copom é interligado com todos os municípios da Baixada. Se ele não tivesse gerador, os cidadãos não poderiam pedir auxílio à PM. Eu estive no local e obtive a informação que somente quarta (hoje) ou quinta-feira (amanhã) a situação começaria a ser resolvida”, revelou.

O vereador alerta que uma situação como a ocorrida, em pleno Carnaval, tira a concentração do policial. “Como pode não ter um gerador de energia para o prédio. Um sistema mais moderno? Ter que comer na rua, não poder sequer tomar um banho e, à noite, ficar totalmente às escuras é lamentável, é perigoso. Os comandantes estão tomando todas as providências, mas o grande culpado disso é, sem dúvida, o Governo do Estado, que permite que um quartel da PM passe por uma situação tão frágil, tão delicada”, lamenta Santana. O parlamentar santista finaliza alertando que amanhã, primeira sessão pós-carnaval, vai dedicar parte do seu tempo na Câmara para informar os demais vereadores sobre a situação, além enviar um ofício ao Governo do Estado. 

“Deveríamos ter um plano emergencial para situações como essa, principalmente no horário noturno. Não podemos permitir que policiais militares continuam se submetendo a situações de insegurança como essa, com possível roubo de armas e atentados contra policiais. Se já matam policiais em plena luz do dia, o que dirá com ajuda de ambientes propícios como esse”, ­ finaliza. 

Em nota, o Comando da Polícia Militar afirmou que queimou um disjuntor de alta tensão que está sendo reparado por firma especializada. 

“Como o quartel abriga o Copom, foi feita a ligação de tensão suficiente direto ao setor, que opera em plena segurança”, garantindo que o problema está sendo sanadas e não comprometem as rotinas ininterruptas da Polícia Militar.