X
Polícia

Audiência do caso Henry tem bate-boca entre advogados e expulsão de bolsonarista

Um bate-boca começou durante o depoimento de Reinaldo César Pereira, que é casado com uma prima de Monique

O casal está com a prisão temporária decretada pela Justiça / Agência Brasil

O segundo dia de audiência do caso Henry teve protesto em frente ao Tribunal de Justiça do Rio e ânimos exaltados dentro do plenário, onde Monique Medeiros e Jairo Souza Santos Júnior, o Dr. Jairinho, estão sentados no banco dos réus. Os dois são suspeitos pela morte de Henry Borel, 4, morto em março deste ano.

Um bate-boca começou durante o depoimento de Reinaldo César Pereira, que é casado com uma prima de Monique. Na ocasião, o promotor Fábio Vieira perguntou sobre os negócios que a família de Jairinho comanda em Bangu, na zona oeste do Rio.

"Eu ouvi dizer que eles são donos de Bangu, são donos da milícia, são donos disso tudo", disse ele. "Mas não posso afirmar nada. Eu não conheço pessoalmente nem um nem outro. Agora, o que posso afirmar é que eles são pessoas influentes e poderosas em Bangu."

Faça parte do grupo do Diário no WhatsApp e Telegram.
Mantenha-se bem informado.

Um levantamento do jornal Folha de S.Paulo mostrou que Jairinho foi citado em 37 ligações do Disque Denúncia desde 2004. A suposta ligação com milicianos, bicheiros ou traficantes é a causa mais frequente, considerando que cada denúncia pode ter mais de um motivo.

Responsável pela defesa de Jairinho, o criminalista Braz Sant'Anna interveio e disse que as declarações são baseadas em opiniões, e não em fatos. Thiago Minagé, advogado de Monique, também quis se manifestar e levantou a voz, mas foi repreendido pela juíza.

"Calma, doutor. O senhor está nervoso? Então toma um Rivotril. O senhor não pode ficar gritando aqui, não", disse a juíza Elizabeth Machado Louro.

O primeiro depoimento do dia foi de Antenor Lopes, diretor do DGPC (Departamento-Geral de Polícia da Capital). Arrolado pela defesa de Monique, ele respondeu sobre questões administrativas do inquérito e elogiou a atuação de Henrique Damasceno, delegado responsável pelo caso.

No começo das investigações, a defesa de Jairinho disse que o ex-vereador era perseguido pelo delegado e solicitou que o inquérito fosse para as mãos da Delegacia de Homicídios da cidade.

"O que eu vi foi o doutor Henrique Damasceno e a doutora Ana Carolina, de maneira incansável, tentando responder o que que levou à morte do menino Henry Borel", disse ele. "Na nossa visão, as investigações foram feitas de forma isenta e imparcial. Não houve nenhuma forma de conluio ou complô."

Durante o depoimento de Lopes, uma mulher usando máscara com uma imagem do presidente Bolsonaro foi retirada por seguranças após se exaltar na plateia. "Eu não sei por que estou sendo retirada, mas eu saio de alma lavada", disse ela.

A previsão é que nove pessoas prestem depoimento nesta quarta (15), entre parentes e amigos de Monique. Essa é a terceira audiência do caso Henry. A primeira foi feita no dia 6 de outubro e durou 14 horas. Na oitiva, foram ouvidas dez testemunhas de acusação, como o delegado responsável pelas investigações e o pai da criança.

Na terça (14), foi a vez das testemunhas de defesa de Jairinho. A audiência durou quase nove horas e contou com o depoimento de dez pessoas, entre elas o pai do ex-vereador, o deputado estadual Coronel Jairo.

Na audiência desta quarta (15), um grupo segurava cartazes com fotos de Henry e pedia que o casal fosse a júri popular. "A Monique foi conivente. Ela fez selfie na delegacia. Isso não é mãe. Ela sabia que ele estava ali massacrando o filho dela. Ela queria dinheiro e status", disse uma mulher usando megafone.

O laudo da reprodução da morte de Henry apontou que ele sofreu 23 lesões no total, produzidas mediante ação violenta. Entre elas estão escoriações e hematomas em várias partes do corpo, infiltrações hemorrágicas em três regiões da cabeça, laceração no fígado e contusões no rim e no pulmão.

A defesa de Jairinho e de Monique diz que eles são inocentes.

Deixe a sua opinião

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

Praia Grande

Caminhada da Adoção pretende mobilizar pessoas e informar sobre o tema

Evento acontecerá no dia 10 de julho, na praia do Bairro Canto do Forte, em Praia Grande

Educação

Bertioga abre matrículas para Educação de Jovens e Adultos

As aulas iniciam no segundo semestre, de segunda a sexta-feira, das 19 às 22h30

©2021 Diário do Litoral. Todos os Direitos Reservados.

Software