CAMPANHA DE 1 A 11

Às vésperas do Carnaval, Polícia Civil detém 403 pessoas na Baixada e no Vale

Um dos destaques foi a prisão de Vivi do Funk, apontada como gerente do tráfico de drogas na região central de Bertioga

Comentar
Compartilhar
20 FEV 2020Por Gilmar Alves Jr.20h20
O delegado seccional de Santos, Carlos Schneider, ao centro, apresentou o balanço com os delegados Carlos Henrique Fogolin de Souza (à esquerda na foto) e José Aparecido Cardia (à direita)Foto: Gilmar Alves Jr./DL

Uma megaoperação da Polícia Civil contra crimes diversos, às vésperas do feriado de Carnaval, deteve 403 pessoas na Baixada Santista e no Vale do Ribeira. A blitz, que durou 24 horas e foi concluída às 11 horas desta quinta-feira (20), retirou de circulação mais de 80 quilos de drogas e oito armas de fogo de circulação e teve como objetivo principal a prevenção de crimes durante o período de festejos. 

Ao anunciar os resultados da operação, o delegado seccional de Santos, Carlos Topfer Schneider, afirmou que os plantões em delegacias que funcionam 24 horas na Baixada Santista e Vale do Ribeira foram reforçados para o feriado com escalas extraordinárias através do pagamento de Diária Especial de Jornada Policial (Dejec), autorizado pelo Governo do Estado em extensão ao policiamento de verão. 

"Com o reforço, queremos evitar qualquer atraso que atrapalhe o andamento das investigações", salientou. 

Um dos destaques da megaoperação foi a prisão, em Bertioga, de uma mulher conhecida como Vivi do Funk, que é apontada como gerente do tráfico de drogas na região central daquela cidade. 

Ela foi presa na tarde de quarta (19), em casa, na Rua Professor Edmundo Gomes de Oliveira, onde investigadores apreenderam 76 cápsulas de cocaína. 

Durante a entrevista coletiva sobre o balanço da operação, o delegado José Aparecido Cardia, titular de Bertioga, afirmou que Vivi do Funk organizava e contabilizava a venda dos tóxicos na região central e ainda tinha a função de cooptar adolescentes para a venda de drogas a varejo nos pontos de tráfico. 

Posto de combustíveis na Avenida Monteiro Lobato, em Mongaguá, tinha três bombas com combustível adulterado, segundo a polícia (Foto: Divulgação/Polícia Civil)

"Cessou (com a prisão em flagrante) essa ação em relação à parceria dela com o crime. É um golpe duro na distribuição de drogas, que infelizmente contamina os dependentes químicos", afirmou o delegado. 

Em Mongaguá, uma investigação de policiais da Delegacia Sede resultou no fechamento de um posto de combustíveis que tinha três bombas com fornecimento de combustível de forma adulterada, na Avenida Monteiro Lobato, no bairro Vera Cruz. 

"Foram apreendidos 27 mil litros de combustíveis, que estão periciados para posterior responsabilização do proprietário do posto", detalhou na entrevista coletiva o delegado seccional de Itanhaém, Carlos Henrique Fogolin de Souza.

A ação no posto foi em conjunto com a Agência Nacional de Petróleo (ANP) e com o Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro). 

No Estuário, em Santos, policiais da Delegacia de Investigações Gerais (DIG) prenderam um estivador de 63 anos por tráfico de drogas nas proximidades do Órgão Gestor de Mão de Obra (Ogmo). A captura, na esquina da Avenida Coronel Joaquim Montenegro (Canal 6) com a Avenida dos Portuários, ocorreu às 17h30 desta quarta-feira (19). 

Sob o comando do delegado Luiz Ricardo de Lara Dias Júnior, titular da DIG, e do investigador-chefe, Paulo Carvalhal, os policiais da especializada gravaram, em uma campana, imagens do acusado fazendo transações de droga antes de realizarem a prisão em flagrante. 

Números gerais

Das 403 pessoas detidas, 45 foram presas em flagrante, 148 por mandado de prisão, 24 são adolescentes e 186 por crimes de menor potencial ofensivo, sendo liberadas após os registros de Termos Circunstanciados (TC´s). 
Foram mobilizados 418 policiais, em 127 viaturas.