Após policiais serem baleados, PM ocupa Morro do José Menino por tempo indeterminado

Participam da operação tropas do Comando de Policiamento de Choque, de São Paulo, e policiais do 2º Baep e de batalhões territoriais de Santos e São Vicente

Comentar
Compartilhar
20 SET 2019Por Gilmar Alves Jr.20h03
Policiais do Batalhão de Choque, da capital paulista, agem no Morro do José Menino na tarde desta sexta-feira (20)Foto: Nair Bueno/Diário do Litoral

Um dia após um soldado e um sargento serem baleados durante ações contra o tráfico de drogas no Morro do José Menino, em Santos, a Polícia Militar iniciou nesta sexta-feira (20) uma ocupação por tempo indeterminado na localidade. 

Os objetivos, segundo a PM, são identificar e prender os criminosos envolvidos nos atentados a tiros contra os policiais na quinta-feira (19), coibir o tráfico de drogas e outros delitos, bem como prender infratores em geral. 

Os tiroteios ocorreram em um intervalo de seis horas, por volta das 15h e das 21h. Os dois policiais feridos são do 2º Batalhão de Ações Especiais de Polícia (2º Baep). Um suspeito foi morto no segundo confronto. 

Participam da ocupação tropas do Comando de Policiamento de Choque, de São Paulo, dos batalhões territoriais de Santos e São Vicente (6º BPM/I e 39º BPM/I) e do 2º Baep. 

No final da tarde desta sexta, um aparato de base para a ocupação, com montagem de tendas, foi instalado na Rua Doutor Carlos Alberto Curado. Durante todo o dia foi intensa a movimentação de viaturas em operação de saturação. 

                              

Os confrontos

O primeiro policial baleado, um soldado, foi atingido na perna direita, próximo ao joelho, quando participava de uma perseguição a dois suspeitos por volta das 15 horas de quinta-feira. 

Ele passou por procedimentos médicos e permanecia em observação até o final da tarde desta sexta. 

Por volta das 21h, em uma trilha nas imediações da Rua Oito, os policiais notaram cinco suspeitos e foram recebidos a tiros, havendo revide. 

Um sargento foi baleado e um dos criminosos, que portava uma mochila com drogas, foi atingido e faleceu na Unidade de Pronto Atendimento (UPA) Central. 

O PM, com duas perfurações no abdômen e uma na perna, foi submetido a uma cirurgia e segue internado. Os tiros atingiram a lateral do abdômen, em região não protegida pelo colete balístico. 

O criminoso, que não portava documentos, usava uma pistola de calibre .40. Na mochila dele havia 496 cápsulas de cocaína, 394 porções de maconha e 240 pedras de crack, um rádio comunicador, um celular e munições.

Rotina de medo

"Nós não aguentamos mais". O desabafo é de um morador do José Menino, que afirmou à Reportagem temer constantemente ser atingido em tiroteios. Ele elogiou a ocupação que era montada no final da tarde desta sexta e disse que espera mais segurança.

Na avaliação do morador, a PM deveria instalar uma base fixa no morro.

Ele disse que o volume de tiroteios assusta e descreveu imóveis que têm buracos de balas nas imediações da Rua Oito, cenário de diversos confrontos entre traficantes e policiais.

Uma ex-moradora disse ao Diário que a insegurança foi um dos motivos para ela decidir se mudar daquela localidade. "Ultimamente os tiroteios estavam constantes", afirma.

 

Colunas

Contraponto