Adolescente acusa o primo de estupro em festa de aniversário na Baixada Santista

Após a descoberta do caso, o suspeito disse que “trabalha pra o crime, que tinha como provar que não tinha cometido o estupro e que iria chamar os irmãos”

Comentar
Compartilhar
14 ABR 2021Por Gilmar Alves Jr.18h11
A adolescente recebeu encaminhamento para o Centro de Infectologia de ItanhaémA adolescente recebeu encaminhamento para o Centro de Infectologia de ItanhaémFoto: Divulgação/Prefeitura de Itanhaém

Uma adolescente de 13 anos acusa o primo, de 21, de estuprá-la, com conjunção carnal, durante uma festa de aniversário em Itanhaém. Segundo ela, quando usava o banheiro o primo chegou, a segurou pelo braço e a empurrou ao box, tampando a boca dela e ameaçando-a, dizendo que se gritasse ou contasse a alguém sobre o estupro a mataria.

Após a descoberta do caso durante a festa, o suspeito disse que “trabalha para o crime, que tinha como provar que não tinha cometido o estupro e que iria chamar os irmãos”. Ele fugiu correndo.

A mãe da menina a levou a filha à Delegacia Seccional de Itanhaém o registro do crime no domingo (11). O estupro ocorreu na noite da véspera, em uma casa no bairro Jardim Santa Júlia.

Após o registro do boletim de ocorrência, a adolescente foi levada à Unidade de Pronto Atendimento (UPA), onde recebeu encaminhamento ao Centro de Infectologia de Itanhaém (CINI).

Ao registrar o caso junto à Polícia Civil, a mãe da jovem narrou que sentiu falta da filha em dado momento da festa e passou a procurá-la pela casa e na rua. Ao procurá-la no banheiro pela primeira vez, a mãe se deparou com o suspeito em frente ao vaso sanitário nu e não imaginou que a filha estivesse no local. Seguiu então procurando a menina.

O marido dela foi avisado e várias pessoas passaram a procurar a jovem. O primo foi visto saindo do banheiro, perguntando sobre um local para lavar as mãos, e na sequência a mãe retornou ao banheiro, encontrando a filha chorando.

Muito assustada, inicialmente, a menina não quis relatar o que ocorreu. Na sequência, ela relatou o crime e disse que entrou em choque e não reagiu diante das graves ameaças feitas pelo primo no banheiro.