Acusado por morte de suplente de vereador em AL é preso em Praia Grande

Vandiele de Araújo da Silva Rocha (PTC) foi assassinado a facadas em Arapiraca, Agreste de Alagoas, na casa onde morava

Comentar
Compartilhar
18 SET 2019Por Gilmar Alves Jr.16h42
Peças de roupa usadas pelo acusado na data do homicídio foram trazidas por ele para Praia GrandeFoto: Divulgação/Polícia Civil

Um foragido da Justiça acusado pela morte do professor e suplente de vereador em Arapiraca (AL) Vandiele de Araújo da Silva Rocha (PTC), foi capturado pela Polícia Civil, no início da manhã desta quarta-feira (18), em Praia Grande.  

O crime ocorreu em 30 de agosto, na casa do professor, em Arapiraca, Agreste de Alagoas, e os acusados são os dois homens que foram à residência da vítima naquela data para consumir bebidas alcoólicas. Após o homicídio, o carro do suplente de vereador foi levado e incendiado.

A prisão do foragido foi feita por policiais da Delegacia de Investigações Gerais (DIG) de Santos, que chegaram ao paradeiro em um trabalho realizado em conjunto com a Polícia Civil de Alagoas.

Por volta das 6h, policiais surpreenderam o homem no imóvel onde ele estava morando, de um tio, no Jardim Quietude.

A equipe do delegado Luiz Ricardo de Lara Dias Júnior, titular da DIG, e do investigador Paulo Carvalhal apreendeu na casa roupas que teriam sido usadas na data do crime e o celular do foragido.

As peças de vestuário serão submetidas a uma perícia para identificar se há sangue da vítima. O aparelho também passará por análise pericial.

No último dia 5, um dos acusados se entregou à polícia em Alagoas e atribuiu ao colega a autoria das facadas.

Interrogatório

Na DIG, o homem capturado em Praia Grande negou que tenha desferido as facadas no professor e afirmou que foi seu colega quem o matou, usando uma faca de serra.

Disse ainda que o colega lhe informou na fuga que matou o professor por ter sido “apalpado” por ele.  

Ao ser questionado sobre o motivo de ter fugido para São Paulo, afirmou que temia ser morto em Alagoas.

O homem ainda disse que espera que todo o conteúdo de seu celular seja analisado “para demonstrar sua inocência”. Ele deverá ser transferido para Alagoas nos próximos dias, onde as investigações vão prosseguir.

Colunas

Contraponto