Acusado por crime em posto é capturado novamente

45 quilos de maconha foram apreendidos em apartamento.

Comentar
Compartilhar
29 JAN 201310h28

Autor do assassinato do músico Luiz Isidoro em um posto de combustíveis no Campo Grande, em Santos, em julho de 2008, Christian Pardal Araújo Dias, de 24 anos, foi preso, ontem, pela terceira vez por tráfico de drogas. A mais recente captura foi realizada no prédio onde ele estava residindo, na Orla do Gonzaga, por volta de 14h30. Mais de 45 quilos de maconha foram apreendidos pela Polícia Civil.

A equipe que prendeu Pardal novamente por tráfico, comandada pelo delegado Francisco Garrido Fernandes, titular do 2º Distrito Policial de Santos (Jabaquara) é a mesma que prendeu Pardal outras duas vezes em 2009. Naquele ano, Garrido ainda comandava a Delegacia de Investigações sobre Entorpecentes (Dise).

O rapaz chegou a ser condenado pela Justiça à prisão em regime fechado, em 2011, mas recorria em liberdade. Seu julgamento no Tribunal do Júri pela morte do músico ainda não tem data definida. Ele também recorria em liberdade por esse crime.

Em três mochilas - Os investigadores recolheram 30 tijolos do entorpecente (Foto: Diário do Litoral)

Investigação

Informações apuradas pela equipe do delegado Garrido, deram conta que Pardal havia recebido uma grande quantidade de drogas para armazenamento em seu apartamento, na Avenida Presidente Wilson, 39. Também foi apurado que ele estava distribuindo drogas em um Toyota Corolla preto. Diante das informações, os policiais Marcos Pina e Paulo Álvaro Ribeiro fizeram diligência e surpreenderam Pardal logo após ele entrar em seu prédio.

Em revista no Corolla, os policiais apreenderam um tablete com quase 200 gramas de maconha, três telefones celulares e comprovantes bancários. Questionado sobre o carregamento de maconha em seu apartamento, o acusado confirmou a existência.

Em três mochilas os investigadores recolheram 30 tijolos de maconha, dois pequenos tabletes da droga, balança de precisão, materiais utilizados para embalo do entorpecente e anotações com nomes e valores. Conforme assinala o delegado Francisco Garrido Fernandes, Pardal “é um traficante de grande porte” na Cidade.

Após ser autuado no 2º DP, o acusado foi recolhido à cadeia anexa ao 5º DP, na Zona Noroeste.

Homicídio - Pardal matou músico a tiros em posto (Matheus Tagé/ DL)