Acusada de latrocínio em Mongaguá diz que planejou crime ao consumir cocaína

A mulher, de 25 anos, foi presa temporariamente na última sexta-feira (16) e afirma que participou do assalto, mas negou envolvimento na morte, atribuindo esta parte do crime ao comparsa

Comentar
Compartilhar
19 OUT 2020Por Gilmar Alves Jr.16h55
Casa do aposentado foi revirada durante o crime, que ocorreu no último dia 6Foto: Divulgação/Polícia Civil

Presa temporariamente sob a acusação de envolvimento no latrocínio (roubo seguido de morte) que vitimou o aposentado Eurico João de Souza Filho, de 76 anos, em Mongaguá, uma mulher de 25 anos, que mantinha relacionamento com ele, disse, em interrogatório, que planejou o assalto à residência em uma noite com consumo de cocaína e álcool em um bar no Agenor de Campos com o comparsa, que está foragido.

A mulher foi presa no dia 16, quando após passar um período tentando fugir, voltou para a casa da mãe, que acionou a polícia. A dupla já estava identificava pela equipe do delegado titular de Mongaguá, Luiz Carlos Vieira, e do investigador-chefe, Alexandre dos Santos.

A acusada negou envolvimento na morte do idoso, atribuindo esta parte do crime ao comparsa. A dupla invadiu a residência no bairro Balneário Plataforma II no início da manhã do último dia 6, pulando o muro.

Aproveitando-se do relacionamento com o idoso, a mulher perguntou se podia descansar no local, o que foi aceito pela vítima. Enquanto o aposentava foi ao banheiro escovar os dentes, a mulher avisou o comparsa, que estava escondido garagem para o ingresso na moradia.

Assim que o aposentado saiu do banheiro, foi rendido, teve a boca tampada com uma das mãos pelo homem, que segurou com força o braço do aposentado, aplicando-lhe uma “chave de braço”. Na sequência, a vítima foi levada para o quarto, segundo a interrogada.

A detida afirmou que quando a vítima começou a pedir calma ao comparsa, dizendo “pelo amor de Deus não faz isso”, ele passou a dizer para a vítima calar a boca. A acusada diz que pouco depois pulou o muro da casa da vítima deixou o local e que só soube da morte depois.

Segundo ela disse informalmente, o comparsa fugiu do local levando somente um cofrindo contendo moedas. 

Com requintes de crueldade, a vítima teve a boca e mãos amarradas, sendo encontrada morta com diversos hematomas nos braços e na face, informou a assessoria de imprensa do Departamento de Polícia Judiciária do Interior-6 (Deinter-6).