‘Acredito que possa ter grupos de extermínio’

Diz o novo comandante do CPI-6, coronel Carlos Celso Castelo Branco Savioli

Comentar
Compartilhar
19 FEV 201310h15

A Polícia Militar da Baixada Santista e Vale do Ribeira conta com um novo comandante. No último dia 6, o coronel Carlos Celso Castelo Branco Savioli, de 50 anos, assumiu o Comando do Policiamento do Interior Seis (CPI-6). Ele ocupa o cargo deixado pelo coronel Marcelo Prado.

Com 31 anos dedicados à PM, Savioli atuou como comandante do policiamento da Zona Oeste de São Paulo. Ele também trabalhou em batalhões de choque como a Rondas Ostensivas Tobias de Aguiar (Rota), Comando de Operações Especiais (COE) e Grupo de Ações Táticas Especiais (Gate).

Em entrevista concedida ao Diário do Litoral, Savioli afirmou acreditar no envolvimento de policiais militares em grupos de extermínio, responsáveis pelas recentes mortes ocorridas na Região.

Diário do Litoral - O senhor já trabalhou na Região?
Coronel Carlos Celso Savioli - Nunca. Só conhecia a Região pela imprensa. Na realidade, não conheço a Baixada Santista e Vale do Ribeira.

Savolli diz que se houver PMs envolvidos em grupos de extermínio é porque eles foram cooptados pelo crime, estão corrompidos, ou doentes, em termos psiquiátricos (Foto: Luiz Torres/ DL)

DL - Os PMs da Região tem recursos necessários para trabalhar?
Savioli
- Eu tenho 31 anos de PM e posso dizer uma coisa: a cada ano a PM melhora em termos de recurso.

DL - No Rio de Janeiro, os PMs passaram a utilizar fuzis para enfrentar os criminosos nas favelas. Isso seria uma solução para a diminuição de crimes?
Savioli
- Não. Nossa função é defender a população. O confronto é próprio de tropa de guerra, nós (PM) somos a tropa de defesa. Não estamos em guerra com a criminalidade.

DL - Haverá operações em conjunto com a Polícia Civil?
Savioli
- A Polícia Civil faz investigação, ela descobre o criminoso e vai prender. A Polícia Militar faz prevenção, reduz índices criminais e defende a população. As operações integradas ocorrem quando as duas estão funcionando.

DL - Recentemente o Comando de Operações Especiais (COE) da PM realizou a prisão de um traficante em Guarujá após realizar investigações. Isso não está errado?
Savioli
- A PM não faz investigação, é uma informação errada. Com certeza a investigação foi feita pela Civil e passada para o COE agir nessa região.

DL - Se a Civil investigou, por que ela não realizou a prisão?
Savioli
- Depende da situação, se tiver uma situação igual a essa, que houve necessidade de entrar em um local de difícil acesso, fica melhor ir um grupo especializado, no caso o COE.

DL - A Civil conta com o Grupo de Operações Especiais (GOE) ela não deveria ter feito a prisão?
Savioli
- Mas isso é integração. Quem sabe o GOE estaria trabalhando no mesmo dia e não podia fazer a prisão.

DL - A população não acredita mais nos policiais, como fazer para mudar esse panorama?
Savioli
- Precisamos mudar nossa mentalidade, tanto da população como da polícia. Só vamos nos sentir seguros quando a polícia nos der segurança. Enquanto a polícia tiver querendo atacar o crime, como uma tropa de guerra, as pessoas continuarão se sentindo inseguras.

DL - O senhor acredita na formação de grupos de extermínio por PMs, relacionados às recentes mortes ocorridas na Região?
Savioli
- Acredito que possa ter. Não tenho certeza, não tenho investigação, não tenho dados, mas simplesmente acredito.

DL - Como conter essa formação de grupos de extermínio?
Savioli
- Com uma investigação forte. Caso haja comprovação, os envolvidos devem ser colocados em processo demissionário. Isso é inadmissível. Se houver PMs envolvidos em grupos de extermínio é porque eles foram cooptados pelo crime, estão corrompidos, ou doentes em termos psiquiátricos. Precisam ser removidos da corporação e procurar tratamento, porque virou bandido.

DL - A remuneração do PM é ideal?
Savioli
- Remuneração nunca é ideal. Todas as pessoas que trabalham querem ganhar mais, isso faz parte da cultura nossa. Como você sabe que tá bom, se não tá? Você compara com outras carreiras. Quanto ganha um professor? Quanto ganha um profissional de saúde? E verifica se é igual o quanto ganha um funcionário da segurança pública. Ai você sabe se tá bom ou não.

DL já havia noticiado - Em entrevista concedida ao DL, em 30 de novembro passado, o delegado Juvenal Marques Filho afirmou que grupos policiais iriam reagir aos atentados contra policiais militares