Abrigado é preso por estupro contra menina de 7 anos em alojamento em Peruíbe

Com a descoberta do crime sexual, ele foi agredido com socos e pontapés por diversas pessoas; o abrigado admitiu a guardas municipais “ter passado a mão no órgão genital da vítima”

Comentar
Compartilhar
22 JAN 2021Por Gilmar Alves Jr.18h10
Abrigo instalado na Escola Municipal Delcélia BezerraFoto: Divulgação

Um abrigado de 19 anos foi preso em flagrante, na madrugada desta sexta-feira (22), acusado de estuprar uma menina de 7 anos no alojamento instalado na Escola Municipal Professora Delcélia Joselita Machado Bezerra, em Peruíbe. Com a descoberta do crime sexual, por volta da 2h, ele foi agredido com socos e pontapés por diversas pessoas. Houve grande tumulto no local, que abriga mais de 170 pessoas afetadas pela forte tempestade que atingiu o município.

O rapaz recebeu voz de prisão de guardas municipais de Peruíbe e admitiu informalmente, quando foi atendido na Unidade de Pronto Atendimento (UPA), ter “passado a mão no órgão genital da vítima”.

A mãe da menina não presenciou o fato e ao ir ao encontro da criança, após a descoberta do crime, ouviu da própria menina que o rapaz tinha passado a mão na genitália dela.

Um abrigado de 34 anos, relacionado como uma das testemunhas no boletim de ocorrência, disse que surpreendeu o acusado com a “mão debaixo da saia da criança”. Ele afirma que indagou o acusado e a resposta foi: “eu bobeei. Passei a mão na menina.”

Na Delegacia Sede de Peruíbe, o rapaz foi autuado em flagrante pelo crime de estupro de vulnerável consumado pelo delegado Arilson Veras Brandão, sendo removido à cadeia.

Segundo a Prefeitura de Peruíbe, o acusado chegou ao abrigo nesta quinta-feira (21) e realizou o cadastro solicitado.

“Foi-lhe dado colchão, roupa de cama, kit de higiene pessoal e encaminhado para um quarto. Posteriormente, jantou e ficou junto aos demais abrigados no local de atendimento feito na escola”, disse a Administração Municipal

A Prefeitura ainda disse que agentes da Guarda Civil Municipal (GCM) ficam 24 horas no abrigo e reforçou que atuaram na ocasião.

“A ocorrência aconteceu por volta das 2h, horário em que todos já tinham sido orientados a dormir e, graças à atuação da Guarda Civil Municipal, a polícia foi acionada”, disse a Prefeitura.