Desemprego em Guarujá cai 1,3%, aponta Nese

O índice de desemprego em 2009 foi de 12,47%, contra 13,77%, de 2008, o que equivale a 19,4 mil desempregados este ano e 22,2 mil, em 2008

Comentar
Compartilhar
19 JAN 201319h41

Apesar da crise econômica global que afetou, inclusive o Brasil, Guarujá registrou queda no índice de desemprego de 1,3%, em 2009. No ano passado, pelo menos 2.807 trabalhadores ingressaram no mercado de trabalho.

Segundo a Pesquisa de Emprego e Desemprego na Cidade de Guarujá, do Núcleo de Pesquisas e Estudos Econômicos (NESE), o índice de desemprego em 2009 foi de 12,47%, menor que o índice de 13,77%, de 2008. Em números, esses índices equivalem a 19.479 pessoas desempregadas em Guarujá contra 22.286, em 2008.

O coordenador de pesquisas do Nese, Jorge Manuel de Souza Ferreira, que apresentou a pesquisa à imprensa, ontem, afirmou que a queda no índice de desemprego é positiva. “Houve uma recuperação boa da geração de empregos”.

No entanto, o número de empregados reduziu em 2.763, de um ano para o outro. Em 2009, o universo de empregados era de 136.772. Já em 2008, os trabalhadores somavam 139.535.

A pesquisa foi realizada em novembro passado, em 450 domicílios, totalizando 1.457 pessoas entrevistadas e é equiparada a novembro de 2008. Foram entrevistados 775 mulheres e 682 homens. O universo pesquisado garante uma margem de erro de 2,49% sobre os índices apurados para um intervalo de confiança de 95,5%.

Para os índices de desemprego e emprego de Guarujá foi considerada a população fixa de 2007, quando o número era de 305.171, segundo dados do IBGE. Segundo a pesquisa, o índice de aposentados aumentou 11,67% em relação a 2008. O universo de pessoas que saíram da ativa aumentou de 29.716 (2008) para 35.607 (2009).

Os inativos somam 148.920 pessoas em 2009 contra 143.350, de novembro de 2008. Nesse grupo são considerados menores de 16 anos, aposentado inativo/pensionista, dependente, estudante, aquele que não tem interesse em trabalhar, doente, vive de renda, pensão alimentícia ou já tem proposta de trabalho. Os menores de 16 anos lideram o grupo de inativos de Guarujá e correspondem a 51,48% desse universo.

Autônomos

O percentual de autônomos é de 25,11% do total de empregados, sendo que 2,45% desse grupo também são empregados. Esses autônomos podem ser registrados ou não, mas a maioria dos autônomos – 89% - é informal e englobam desde profissionais liberais até ambulantes. Se projetada a amostra para a população total, Guarujá possui 34.343 pessoas em atividade na condição exclusivamente de autônomos.

Escolaridade

Os trabalhadores com baixa escolaridade são os mais afetados pelo desemprego. As pessoas com ensino médio completo são 25,8% desse universo, seguidas por 24,7% dos trabalhadores com ensino fundamental incompleto.

Onde eles trabalham?

A maioria dos guarujaenses – 81,59% - trabalha na própria cidade, 10,88% em Santos e 2,23%, na Capital paulista. Já os trabalhadores empregados em outras cidades, somam 6%. Só a cidade de Santos emprega 14.849 guarujaenses.

Ramos de atividade

O setor de serviços lidera o ranking na geração de empregos, em Guarujá respondendo por 49,46% da amostra, seguido pelo comércio 20,21% e serviços públicos 7,96%, sendo considerados nesse grupo policiais militares, prefeituras, governos estadual e federal.