Vigilância Sanitária inicia Operação Verão, no próximo dia 16

Agentes vão fiscalizar as condições em que produtos alimentícios são preparados e armazenados. Quiosques poderão ser multados e até interditados

Comentar
Compartilhar
13 JAN 201412h21

A Vigilância Sanitária da Prefeitura de Guarujá inicia Operação Verão, no próximo dia 16 e segue até o fim do Carnaval, em março. Nove agentes vão fiscalizar todos os quiosques e carrinhos de ambulantes de toda a orla de Guarujá. O objetivo é verificar as condições em que os produtos alimentícios são preparados e armazenados, combater o comércio irregular e garantir a saúde dos consumidores.

Agindo de forma preventiva e elucidativa, os fiscais estarão reforçando a orientação das boas práticas de manipulação de alimentos, sobre a venda de álcool (proibido para menores) e Lei Antifumo.

“Vamos verificar todos os itens como: as condições higiênico-sanitárias das instalações físicas, dos equipamentos e dos móveis, observar a temperatura de acondicionamento dos produtos alimentícios nos freezers e estufas. Além de avaliar o uniforme e a higiene pessoal do manipulador de alimentos, entre outros”, explicou Carlos Leda, chefe da Divisão da Vigilância Sanitária de Guarujá.

O trabalho será de orientação e alerta aos proprietários de estabelecimentos comerciais. Constatada alguma irregularidade será exigida a devida providência, se houver reincidência o órgão poderá multar o estabelecimento ou até mesmo fechar o local.

“Com a elevada temperatura do verão, aumenta a incidência de contaminação dos alimentos, o que pode resultar em intoxicação alimentar. Seremos rigorosos na fiscalização”, ressalta Leda.

O chefe da Vigilância de Guarujá revela que foi elaborado um roteiro de fiscalização visando a Copa do Mundo. “Queremos visitar estabelecimentos que supostamente deverão ser bastante frequentados por turistas na ocasião do mundial de futebol no Brasil”, disse.

Os agentes irão trabalhar diariamente verificando as condições higiênico-sanitárias desses locais. No ano passado, o balanço foi positivo. 95% dos estabelecimentos foram fiscalizados.

“Alguns locais chegaram a ser autuados, mas todos cumpriram com as exigências estabelecidas o que nos permitiu garantir a segurança alimentar e proteger a saúde do consumidor”, finalizou Leda.