Trailblazer vem com novas tecnologias

O Trailblazer Premier vem com requintes e tecnologias dos utilitários esportivos modernos

Comentar
Compartilhar
25 OUT 2020Por Gazeta de S. Paulo10h26
Chevrolet Trailblazer 2.8 Diesel Premier 2021Foto: Luiza Kreitlon/AutoMotrix

Por Luiz Humberto Monteiro ­Pereira, da AutoMotrix

Em agosto deste ano, um mês após a linha 2021 da picape S10, o Chevrolet Trailblazer apresentou sua linha 2021 para o mercado brasileiro. O SUV grande derivado da S10 continua a ser oferecido exclusivamente na configuração Premier, mas a versão com motor 3.6 V6 SIDI a gasolina com 279 cavalos de potência e torque de 35,7 kgfm foi abolida. Resta somente a conhecida motorização 2.8 turbodiesel com opção de 4x4 e reduzida. A transmissão é sempre automática de 6 velocidades. Com preço a partir de R$ 275.290 e espaço para até sete pessoas, além de novos itens de segurança e conectividade utilizáveis tanto no asfalto quanto no fora-de-estrada, o Trailblazer 2.8 Diesel Premier 2021 se posiciona como um modelo para poucos, com um preço muito seletivo e uma proposta bem singular.

O grande SUV da Chevrolet preserva os 4,88 metros de comprimento, 1,90 metro de largura e generosos 2,85 metros de entre-eixos do modelo anterior. O compartimento de carga varia de 205 litros a 1.830 litros, dependendo da configuração dos bancos. São três fileiras de assentos em diferentes níveis de altura, com ar-condicionado traseiro com controle de intensidade e difusores no teto. Segundo a Chevrolet, o SUV ganhou reforços estruturais na carroceria e oferece maior proteção aos ocupantes.

O Trailblazer 2021 ganhou um design frontal que segue o visual da atual linha de utilitários globais da marca norte-americana e também é adotado na versão High Country da S10. Agora, a grade é toda escura e traz o nome "Chevrolet" em alto relevo sobre uma barra central. Porém, o que mais chama atenção é o fato de o SUV ter imitado a configuração "top" da picape média e literalmente ter "colocado a gravata de lado" - o logo da clássica forma de gravatinha dourada deixa de vir ao centro e aparece lateralizado, à esquerda, sobre uma trama tipo colmeia emoldurada pelos faróis com led e o para-choque. Esse ganhou um aplique central em cor prateada e uma moldura na parte inferior. Na lateral, chama a atenção as novas rodas de 18 polegadas. Na traseira, o SUV é equipado com câmera de ré com imagens de alta definição.

Entre os itens de série, o Trailblazer traz controles eletrônicos de tração e de estabilidade, assistentes de partida em rampas e de descida, airbags frontais, laterais e de cortina, sistema Isofix para fixação de cadeirinhas infantis, acabamento premium da cabine, acendimento automático dos faróis por meio de sensor crepuscular, luz de condução diurna em led (DRL), sensor de chuva, direção com assistência elétrica progressiva, retrovisor interno eletrocrômico, partida remota do motor, câmera de ré com gráficos para auxílio em manobras, sensor de estacionamento dianteiro, vidros laterais com mecanismo de abertura e fechamento pela chave e sistema de áudio premium. Lá estão ainda o sistema multimídia MyLink 2 com tela de 9 polegadas, com GPS e compatível com Android Auto e Apple CarPlay, e o OnStar, sistema de telemática que oferece serviços de emergência, segurança, navegação, concierge e diagnóstico do automóvel.

Além dos equipamentos já tradicionais, a linha 2021 do Trailblazer incorpora itens de segurança mais contemporâneos, como o serviço de notificação automática em caso de acidente e os alertas de desvio de faixa, de colisão frontal, de ponto cego e de movimentação traseira. O dispositivo de desvio de faixa tem uma câmera na parte superior do para-brisa que "lê" a via e emite um aviso toda a vez que o veículo sai involuntariamente da pista. Se o pisca estiver acionado, o sistema entende que a manobra é intencional e não entra em ação. Por meio do alerta de colisão frontal, o motorista pode estabelecer eletronicamente uma distância mínima em relação ao veículo à frente e ser avisado caso o outro automóvel sofra uma redução de velocidade repentina. Luzes vermelhas piscam na base do para-brisa e um alarme soa pelos alto-falantes.

 

O preço sugerido do Trailblazer Premier na cor metálica Vermelho Edible Berries é de R$ 275.290 e não há opcionais. É um valor exagerado, esperável apenas em SUVs de marcas de luxo. Contudo, está abaixo de concorrentes generalistas como o Toyota SW4 Diamond e o Mitsubishi Pajero Sport. Se a opção for pela cor sólida Branco Summit (como o modelo testado), o preço encarece R$ 800. Já se vier nas outras cores disponíveis (Preto Ouro Negro, Cinza Topázio, Azul Eclipse, Prata Switchblade ou Cinza Graphite, todas metálicas), acrescenta R$ 1.800 à fatura.

Sem vacilações
De um lado, os utilitários esportivos atendem à crescente demanda do consumidor por veículos com algum charme off-road, do tipo que ultrapassa sem dificuldades os eventuais obstáculos do caminho. Do outro, seguem a lógica capitalista das fabricantes, já que normalmente são modelos mais equipados, com maior valor agregado e oferecem margens de lucro maiores em comparação aos hatches e sedãs.

Embora o motor 2.8 Diesel não seja nenhum primor de modernidade, a transmissão automática de 6 marchas é eficiente para levar os giros rapidamente à faixa na qual o torque máximo aparece, reduzindo as marchas na hora certa para garantir mais força em ultrapassagens e retomadas. O chamado "turbo-leg' está mais sutil. As dimensões avantajadas poderiam dar a impressão de que seria um carro desajeitado em altas velocidades. Porém, não é. A carroceria oscila em vias muito esburacadas, mas sem "reboladas" inconvenientes. Eventuais excessos são gerenciados pelo controle eletrônico de estabilidade.

Um comando no console central determina a tração a ser adotada - pode ser 4x2, 4x4 ou 4x4 com reduzida. Os tipos de tração, a suspensão elevada e o "powertrain" robusto ajudam o Trailblazer a "se virar" bem no off-road. No uso urbano, o tamanho avantajado às vezes atrapalha. Vagas pequenas são sempre complicadas, apesar de a câmera de ré e os sensores de estacionamento ajudarem a reduzir o inconveniente.

Mais Automotor na Gazeta de S. Paulo