Temer e Silveira se reúnem e tratam do futuro do ministro

Na mesma noite da divulgação de áudio em que criticava a Operação Lava Jato, o ministro da Transparência, Fiscalização e Controle reuniu-se com o presidente Michel Temer

Comentar
Compartilhar
30 MAI 2016Por Folhapress14h02
Temer e Silveira se reúnem e tratam do futuro do ministroTemer e Silveira se reúnem e tratam do futuro do ministroFoto: Agência Brasil

Na mesma noite da divulgação de áudio em que criticava a Operação Lava Jato, o ministro da Transparência, Fiscalização e Controle, Fabiano Silveira, reuniu-se no domingo (29) com o presidente interino, Michel Temer.

Na reunião, no Palácio do Jaburu, os dois discutiram a situação e uma estratégia de reação à gravação em que ele orientava investigados enquanto era conselheiro do CNJ (Conselho Nacional de Justiça), órgão que fiscaliza o Poder Judiciário.

Servidor do Senado, Fabiano foi indicado para o CNJ pelo presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL). O governo está receoso em tomar qualquer atitude que possa prejudicar os interesses do Planalto no Congresso, como a votação final do processo de impeachment.

O diagnóstico feito no encontro entre Silveira e Temer é de que era necessário esperar a repercussão do caso antes de tomar uma decisão sobre a permanência ou saída do ministro.

O Planalto, no entanto, avaliou com preocupação o protesto feito na porta do ministério, na manhã desta segunda-feira (30), de funcionários públicos que pedem a saída do ministro.

Nas palavras de um aliado do peemedebista, sem respaldo dos servidores da pasta, "dificilmente o ministro conseguirá se manter no cargo".

Diante do agravamento do quadro, Temer e Silveira devem se reunir novamente nesta segunda-feira (30).
Silveira foi gravado pelo ex-diretor da Transpetro Sérgio Machado que se tornou delator da operação. Os áudios foram exibidos pelo programa Fantástico, da TV Globo.

No áudio, após Machado criticar o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, Silveira disse: "Eles estão perdidos nessa questão [da Lava Jato]".

Segundo o programa, a gravação ocorreu no fim de fevereiro, na casa do presidente do Senado, Renan Calheiros. Servidor do Senado, Fabiano foi indicado para o CNJ por Renan.

Silveira enviou à reportagem nota em que negou interferência na Lava Jato e afirmou ter passado "de passagem" na residência do Senado, sem saber da presença de Sérgio Machado.

Ele negou relação com Machado e disse que esteve "involuntariamente" e em "conversa informal".
"Chega a ser despropósito sugerir que o Ministério Público (...) possa sofrer qualquer tipo de interferência".