Supersafra agrícola

Governo Federal anuncia medidas para evitar novos congestionamentos nos acessos à Região Metropolitana da Baixada Santista durante os meses de escoamento da safra agrícola

Comentar
Compartilhar
17 DEZ 201310h55

Os ministros dos Transportes, César Borges, da Agricultura, Antônio Andrade, e da Secretaria de Portos, Antonio Henrique da Silveira, anunciaram medidas para promover melhorias no escoamento da safra agrícola, armazenagem e trâmites burocráticos para a liberação das cargas. O pacote contém uma série de medidas que deverão ser adotadas até fevereiro de 2014 para evitar novos congestionamentos nos acessos à Baixada Santista e ao Porto de Santos, especialmente durante os meses de escoamento.

A curto prazo, César Borges destacou a conclusão, em fevereiro do próximo ano, do trecho de 760 quilômetros entre Guarantã (MT) e Miritituba (PA), da BR 163.  Entre as medidas de médio e longo prazos, ele citou a concessão da BR 163/MT, trecho leiloado em novembro, que trará melhorias significativas para o escoamento de grãos. Está previsto para hoje o leilão de mais um trecho da BR-163, agora no Mato Grosso do Sul.

Entre as medidas adotadas pelo governo federal, o ministro da Agricultura Antônio Andrade salientou ações como a abertura dos portos durante 24 horas para agilizar o escoamento da carga e evitar filas de caminhões nas estradas, a ampliação da capacidade de armazenagem privada e pública para atender os quase 200 milhões de toneladas previstos pela Conab (Companhia Nacional de Abastecimento), além de disponibilizar R$ 25 bilhões para financiamentos nos próximos anos, pelo Plano Agrícola e Pecuário 2013/2014, sendo R$ 5 bilhões por ano com juros de 3,5% ao ano e prazo de 15 anos para pagamento para a iniciativa privada.

Armazenagem Na armazenagem pública, serão investidos R$ 500 milhões para melhorar e ampliar a capacidade de armazenagem, passando dos atuais 1,96 milhões para 2,81 milhões de toneladas. “A competência e a competitividade do setor, que pode resultar numa safra de aproximadamente 200 milhões de toneladas, no período 2013/2014, cria necessidades que precisam ser enfrentadas pelo governo. E é isso que estamos fazendo ao apresentar um pacote de soluções para escoar a grande produção brasileira de grãos”, destaca Antônio Andrade.

Porto 24 horas está entre as medidas anunciadas pelos ministros (Foto: Edson Leite)

O governo também vai criar um sistema para sincronizar a chegada de caminhões no Porto de Santos. O objetivo é evitar filas nas estradas e engarrafamentos na época de embarque da safra, que começa em fevereiro e atinge o pico nos meses de março, abril e maio. De acordo com o ministro da Secretaria Especial de Portos, Antonio Henrique Silveira, o sistema, que deve entrar em fase de testes em dezembro, prevê que o caminhão só poderá entrar no Porto de Santos quando a embarcação que receberá a carga já estiver lá. Para isso, será criado um sistema de agendamento, operado pela Secretaria de Portos.

Portolog vai sincronizar caminhões e navios

Para evitar a formação de filas de caminhões na cidade e nos acessos rodoviários ao Porto de Santos no período de pico do escoamento da safra agrícola de 2014, a Secretaria de Portos  está desenvolvendo o sistema Portolog - Cadeia Logística Portuária Inteligente. Ele visa sincronizar as datas de chegada dos navios e das cargas nos terminais, a programação e o credenciamento de veículos para uso racional e utilização da plena capacidade de acesso ao porto.

Hoje os terminais portuários utilizam dois pátios reguladores privados já existentes no porto para agendar o tráfego de caminhões. O agendamento é feito a partir da origem da carga. Os veículos   só podem se dirigir ao terminal portuário quando existem vagas nos   estacionamentos  rotativos. É proibido o recebimento de qualquer veículo sem o prévio agendamento.

Em janeiro, o Portolog começará a ser implementando de forma experimental e em fevereiro entrará em funcionamento definitivo. Serão criadas áreas no planalto paulista para a construção de um novo pátio regulador. A SEP está negociando junto à Secretaria de Patrimônio da União, do Ministério do Planejamento, as áreas para a construção, sendo que duas estão sendo avaliadas: uma na Via Anhanguera, com 180 mil metros quadrados, e outra na região de Ribeirão Pires, com 150 mil metros quadrados.

Além disso, a Codesp divulgou convocação de interessados em explorar áreas privadas no planalto para estacionamento de caminhões com destino ao Porto de Santos.

Pela nova sistemática, antes de chegar ao porto, os caminhões serão direcionados para pátios de triagem localizados no planalto e na baixada de Santos. Eles ficarão retidos no  pátio do planalto para serem cadastrados/agendados no sistema  Portolog. “Vamos transferir as filas formadas ao longo da estrada, sem infraestrutura, para um lugar seguro nas áreas da União”, disse o ministro Antonio Henrique Silveira.