Principais tendências de TI para 2017

A tecnologia vem a cada dia sendo aperfeiçoada, impactando cada vez mais, na vida das pessoas e empresas. Seja mobilidade, cloud e internet das coisas (IoT), as inovações não param

Comentar
Compartilhar
12 MAR 2017Por Da Reportagem13h00

Podemos dizer que o futuro começou. Para compreender o caminho por onde a tecnologia irá nos conduzir é preciso
acompanhar as principais tendências da indústria de TI para 2017:
1. AI e Aprendizado de Máquina Avançado - Inteligência Artificial e Machine Learning são baseados no desenvolvimento de tecnologias que possibilitam entender, aprender, prever, adaptar e, possivelmente, operar de forma autônoma.
2. Aplicativos Inteligentes - Os aplicativos inteligentes como os assistentes pessoais virtuais, que podem executar atividades rotineiras, como priorizar e-mails, dar suporte ao cliente e vendas. Atualmente, é o que mais tem transformado a natureza e a estrutura do local de trabalho
3. Coisas inteligentes – Incorpora inteligência artificial e aprendizado de máquina, possibilitando que essas “coisas” tenham um comportamento sofisticado e interajam com o ambiente e pessoas que tiverem contato. Em suma, serão dispositivos de IoT autônomos.
4. Realidade virtual e aumentada – Sistema que altera como os indivíduos interagem com o ambiente. Através de sensores com sistemas imersivos, proporcionam experiências únicas.
5. Plataforma de tecnologia digital – Fornecem alicerce básico para os negócios, pois permitem surgir novos modelos comerciais digitais, pautados em sistemas de informação, experiência do cliente, análise e inteligência, IoT e ecossistemas comerciais.
6. Sistemas conversacionais – A cada dia, novos pontos de acesso às informações e aplicativos surgem. O propósito dos sistemas conversacionais é o de criar uma base para uma nova experiência digital a partir desta malha digital.
7. Gêmeo digital – Software que entende o estado geral do usuário, de modo a responder as mudanças, melhorar as operações e agregar valor à experiência do mesmo. Para isto ele realiza a coleta de informações sobre cada pessoa com quem interage. As empresas irão usá-los para reparar falhas, de forma proativa, planejar manutenções, processos de fabricação, operar fábricas, aumentar a eficiência operacional e desenvolver melhores produtos.
8. Arquitetura de segurança adaptável – É um mundo complexo da segurança, para assegurar a confiabilidade de acesso da Internet das Coisas. Conforme os equipamentos ganham inteligência e passam a interagir com o ambiente, a segurança física precisará se unir à digital. Evitando que possíveis situações críticas aconteçam.
Esse é o momento ideal para que profissionais e empresas se preparem para as novas tecnologias. Afinal, esse novo contexto digital, está mais próximo e real do que possa parecer.