Prevenção ainda é o melhor remédio

Mal a temperatura começou a cair e a população tem que aumentar os cuidados com a saúde. Uma das preocupações é com os surtos de gripe. Por isso, começou no último dia 17 a Campanha Nacional de Vacinação contra a Influenza. A meta é vacinar 54,2 milhões

Comentar
Compartilhar
23 ABR 2017Por Da Reportagem18h00

Influenza, comumente conhecida como gripe, é uma doença viral febril, aguda, geralmente benigna e autolimitada. Frequentemente é caracterizada por início repentino dos sintomas, incluindo febre, calafrios, tremores, dor de cabeça, mialgia e anorexia, assim como sintomas respiratórios com tosse seca, dor de garganta e coriza. A infecção geralmente dura 1 semana e com os sintomas sistêmicos persistindo por alguns dias, sendo a febre o mais importante.
Os vírus influenza são transmitidos facilmente por pessoas infectadas ao tossir ou espirrar. Existem 3 tipos de vírus influenza: A, B e C. O vírus influenza C causa apenas infecções respiratórias brandas, não possui impacto na saúde pública e não está relacionado com epidemias. O vírus influenza A e B são responsáveis por epidemias sazonais, sendo o vírus influenza A responsável pelas grandes pandemias. Os vírus influenza A são ainda classificados em subtipos, A(H1N1) e A(H3N2), os quais circulam atualmente em humanos. Alguns vírus influenza A de origem aviária também podem infectar humanos causando doença grave, como no caso do A (H7N9).
Algumas pessoas, como idosos, crianças novas, gestantes e pessoas com alguma comorbidade possuem um risco maior de desenvolver complicações devido à influenza. A vacinação é a intervenção mais importante na redução do impacto da influenza. A vacina é uma componente chave da preparação e resposta da OMS para controlar a circulação de amostras de vírus influenza sazonal. 
A constante mudança dos vírus influenza requer um monitoramento global e frequente reformulação da vacina contra influenza. Devido a essa mudança dos vírus influenza, é necessário se vacinar anualmente contra influenza. Todo ano, o Ministério da Saúde realiza a Campanha Nacional de Vacinação contra Influenza, onde grupos prioritários podem receber gratuitamente a vacinação nos postos de saúde, que são:
1. Crianças de 6 meses a menores de 5 anos;
2. Gestantes;
3. Puérperas;
4. Trabalhador de saúde;
5. Povos indígenas;
6. Indivíduos com 60 anos ou mais de idade;
7. População privada de liberdade;
8. Funcionários do sistema prisional;
9. Pessoas portadoras de doenças crônicas não transmissíveis;
10. Pessoas portadoras de outras condições clínicas especiais (doença respiratória crônica, doença cardíaca crônica, doença renal crônica, doença hepática crônica, doença neurológica crônica, diabetes, imunossupressão, obesos, transplantados e portadores de trissomias.
A vacinação contra os três subtipos que mais circularam no país A(H1N1) e A(H3N2) e Influenza B vai até dia 26 de maio. A contraindicação é para quem tem alergia severa a ovo. Neste ano, professores de escolas públicas ou privadas também devem receber a dose. Se você faz parte do grupo, verifique o calendário de vacinação de sua cidade e previna-se tomando a vacina. Saúde também é prevenção.