Prefeita Antonieta debate políticas públicas com militantes

Maria Antonieta de Brito se reuniu com representantes da sociedade civil organizada e militantes do movimento negro

Comentar
Compartilhar
26 NOV 201312h37

Em celebração ao dia da Consciência Negra, comemorado na última quarta-feira (20) a Prefeita de Guarujá, Maria Antonieta de Brito, se reuniu com representantes da sociedade civil organizada e militantes do movimento negro para discutir a continuidade do processo de implantação políticas públicas afirmativas na Cidade.

“Fiz questão de participar dessa conversa por entender que apesar de estarmos trabalhando desde o primeiro dia do nosso governo para implantar políticas públicas que atendam aos interesses de todos, sabemos que ainda temos muito a fazer e precisamos dar voz as entidades e militantes do movimento negro, que representam uma parcela importante da nossa população”, disse Antonieta.

Segundo o presidente do Afroketu, Rafael Rodrigues, a administração da Prefeita Maria Antonieta de Brito foi a primeira a dialogar com o movimento negro da Cidade e por isso, a comunidade anseia sempre por mais. “precisamos fortalecer as políticas públicas para o jovem negro de Guarujá, que está feliz com os avanços ocorridos graças à dedicação da Prefeita Antonieta, mas ainda deseja muito mais”, afirmou.

Debate aconteceu em celebração ao dia da Consciência Negra, comemorado na última quarta-feira (20) (Foto: Raimundo Nogieuria/PMG)

Para o representante da Central Única das Favelas (CUFA), Carlinhos BO, a cultura hip hop tem buscado seu espaço dentro das atividades culturais da Cidade, mas ainda vem enfrentando certo preconceito por parte de algumas autoridades que os confundem com o funk e os fazem sinônimo de baderna.

O presidente do Conselho da Comunidade Negra de Guarujá, Anderson Bernardes, aproveitou a oportunidade para apresentar a prefeita guarujaense, pedido para que seja disponibilizado um local específico para culto das religiões de matrizes africanas em uma das praias da Cidade, salientando a necessidade de se definir claramente regras para a utilização deste espaço, respeitando as normais ambientais vigentes.

“Precisamos possibilitar em nossa Cidade a liberdade total de culto e para isso contamos com o apoio da Prefeita Antonieta para definirmos um local para a realização de cultos destinados as religiões e matriz africana em nossas praias e, além disso, trabalharmos mais profundamente nas escolas o que pede a lei 10.639, que determina o ensino da cultura africana nas redes públicas e privadas de ensino, de modo a diminuir o preconceito”, declarou Anderson.

Além da Prefeita Maria Antonieta de Brito, participaram do encontro com militantes do movimento negro, a secretária de Coordenação Governamental, Eliane Ribeiro, o secretário adjunto da Educação, Juarez Mendes de Azevedo, a coordenadora de políticas para mulheres Eugênia Lisboa Homem, a representante da secretaria da Cultura, Lindaci Carvalho e o coordenador de políticas para a igualdade racial da PMG, Roberto Luiz.