Pesquisa desvenda o chamado Burnout Parental

Uma pesquisa conduzida pela Universidade Católica de Lovanio, na Bélgica, apontou que cuidar dos filhos cansa mais do que trabalhar

Comentar
Compartilhar
28 MAI 2017Por Da Reportagem15h01
Foto: Divulgação

Uma pesquisa conduzida pela Universidade Católica de Lovanio, na Bélgica, apontou que cuidar dos filhos cansa mais do que trabalhar. A chamada síndrome do burnout parental atinge um a cada dez pais.

Os pais sabem muito bem que para criar e educar um filho é necessário dedicação, atenção, paciência e muito tempo disponível. É preciso dividir as horas diárias entre levar a criança para escola, natação, aula de inglês, ao médico e preparar o jantar, além de terem que trabalhar e realizar outras atividades pessoais.

A pesquisa, publicada na revista científica "Frontiers in Psycology", verificou cerca de dois mil familiares.

Os resultados mostraram que 13% dos entrevistados sofriam todos os sintomas típicos do esgotamento, ou burnout parental, com abatimento, incompetência e cansaço, sendo que a porcentagem varia de 12,9% para as mães e 11,6% para os pais.

A Síndrome de Burnout ocorre devido tensão emocional e estresse crônico provocado por condições de trabalho desgastantes. O termo "burnout" resultou da junção de burn (queima) e out (exterior), traduzido do inglês, caracterizando um tipo de estresse ocupacional, resultando em exaustão e em um comportamento agressivo e irritadiço.

Para os autores da pesquisa, o problema surgiu com a transformação do papel do progenitor a partir da década de 1990 na Europa. Dessa forma, os pais passar dedicar-se cada vez mais os filhos. O 'burnout' indica a presença de um enorme desgaste psicológico que agora já não se limita a certas profissões específicas, incluindo a “profissão” de pai e mãe.

Ao menor indício do desgaste, é importante procurar ajuda profissional.