X

Papo de Domingo

Papo de Domingo: 'Não temos uma construção popular do significado da república'

Os feriados foram originalmente inclusos no calendário para promover a reflexão sobre acontecimentos marcantes do passado e que impactam no presente.

Rafaella Martinez

Publicado em 18/11/2018 às 10:23

Atualizado em 18/11/2018 às 10:23

Comentar:

Compartilhe:

A-

A+

O historiador Giulius Aprigio. / Nair Bueno/DL

Os feriados foram originalmente inclusos no calendário para promover a reflexão sobre acontecimentos marcantes do passado e que impactam no presente. Exemplo disso são os feriados desta semana: o da Proclamação da República (comemorado no dia 15) e o da Consciência Negra (celebrado no próximo dia 20).

Qual a origem dessas datas e de que forma podemos trazer essa reflexão para a atualidade? Para lançar luz a esses questionamentos, o Diário conversou com o historiador Giulius Aprigio. Confira a entrevista.

Diário – Como trazer esses temas para atualidade?
Giulius Aprigio – Começando pela proclamação, acho que o que vivemos nesse período eleitoral diz muito sobre o que é república no Brasil. Indiferente das posições eleitorais e em quem as pessoas votaram, temos claro que o brasileiro não é republicano. O próprio Deodoro da Fonseca não era republicano e sim monarquista e aderiu à proclamação de última hora exatamente para impedir que alguma coisa mais radical acontecesse com o imperador. Ou seja: a própria proclamação do Brasil não foi um processo popular e sim um golpe de Estado. Não temos uma construção popular do significado da república. A data promove a reflexão sobre o tipo de república e que tipo de democracia temos no Brasil.

Diário – Como associar a república e a democracia?
Giulius - Temos um governo de Marechal Deodoro que foi totalmente autoritário, cheio de revoltas. Na República Velha temos a revolta de Canudos, que é tratada como se fosse uma revolta monarquista. Na chamada República Café com Leite, tínhamos São Paulo e Minas se revezando no poder a partir de eleições fraudulentas.

Ou seja: a democracia não é uma construção no Brasil e a república foi pensada de cima para baixo através de uma elite. Não é popular. Tivemos a transição da Colônia para o Império e do Império para República da mesma forma.  Hoje, por exemplo, temos o voto obrigatório e o poder está centralizado em Brasília. Quem senta em Brasília é o rei. Se pensarmos que voto é um direito porque somos obrigados a votar? 

Diário - O senhor acredita que a democracia está em risco?
Giulius - Sempre esteve. Nunca fomos uma democracia de forma plena. Vivemos pequenos períodos democráticos, todos eles sucedidos por regimes ditatoriais. Logo após a proclamação eclodiram vários conflitos, como a revolta da armada e a revolução federalista. De 1889 até 1922 vivemos uma república fraudulenta onde mulher e analfabeto não votavam e o voto era aberto, fiscalizado pelos próprios candidatos. Imagina como era essa eleição no interior do Nordeste. Não criamos uma cultura democrática. De 30 a 45 temos a ‘ditadura Vargas’. Derruba o Vargas, temos a democracia de 45 a 64 e depois outro golpe. Ou seja, de processo democrático temos de 45 a 64 e, torcemos, de 87 para frente. Não temos no Brasil uma tradição republicana e democrática e por isso a eleição é um processo tão doloroso.

Diário – É possível traçar um paralelo entre Consciência Negra e democracia nesse contexto?
Giulius – Estamos refletindo sobre democracia aqui e temos que lembrar que o dia 20 de novembro é uma homenagem a Zumbi, o líder do quilombo dos Palmares e sua luta contra a sociedade escravista da época. E não estou aqui romantizando Palmares, que tinha suas contradições, mas Palmares era oposição à sociedade brasileira escravocrata. Era o espaço onde o negro tinha poder e nesse sentido o 20 de novembro é uma data onde pensamos o empoderamento do povo negro.  O Brasil foi o último país do mundo ocidental a abolir a escravidão. 

Diário – Que não acabou com a assinatura da Lei Áurea, né?
Giulius – A Lei Áurea diz que está abolida a escravidão e ponto. Aí eu te pergunto: um cara que passou 50 anos como escravo e alguém chega para ele e diz: está livre. Que favor você fez para ele? O negro sai da condição de escravo e vai para a periferia e pega os piores empregos. Sobra para ele a marginalidade. O 20 de novembro é uma data para pensar nas conquistas do povo negro e de Palmares ter sido vitorioso diante da sociedade da época. É um momento de gerar autoestima. Não foi o 13 de maio que trouxe a liberdade, foi o 20 de novembro, que exalta a luta. O negro não veio para cá, ele foi trazido para ser mão de obra gratuita.  Ele não aceitou a escravidão. A escravidão começa no século 17 e no século 17 surgem os quilombos. A historiografia vai ter que mudar muito a forma como pensamos o povo negro, que hoje julgamos ser um único grupo. A África são várias nações e foram trazidas pessoas com culturas e idiomas diferentes justamente para dificultar a organização.

Diário – Caso a Lei 10.639/03 - que obriga o ensino da história e da cultura africana nas escolas, fosse aplicada de fato - ajudaria a conter a desinformação e o preconceito?
Giulius – Com certeza! Mas isso ainda está muito aquém. Temos que lembrar que da mesma forma que a república está em construção, a cidadania do ‘não branco’ também está em construção. O acesso pleno à dignidade não está construído. Vemos na periferia que a juventude negra está sendo assassinada. Se no passado o Capitão do Mato perseguia os escravos, hoje temos o Estado perseguindo o periférico. A gente não estuda a cultura negra, não entende que a África é mãe da cultura.

Apoie o Diário do Litoral
A sua ajuda é fundamental para nós do Diário do Litoral. Por meio do seu apoio conseguiremos elaborar mais reportagens investigativas e produzir matérias especiais mais aprofundadas.

O jornalismo independente e investigativo é o alicerce de uma sociedade mais justa. Nós do Diário do Litoral temos esse compromisso com você, leitor, mantendo nossas notícias e plataformas acessíveis a todos de forma gratuita. Acreditamos que todo cidadão tem o direito a informações verdadeiras para se manter atualizado no mundo em que vivemos.

Para o Diário do Litoral continuar esse trabalho vital, contamos com a generosidade daqueles que têm a capacidade de contribuir. Se você puder, ajude-nos com uma doação mensal ou única, a partir de apenas R$ 5. Leva menos de um minuto para você mostrar o seu apoio.

Obrigado por fazer parte do nosso compromisso com o jornalismo verdadeiro.

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

Cotidiano

Litoral de SP tem mais de 25 mil imóveis em área de risco

Os dados foram obtidos a partir de um cruzamento entre as coordenadas geográficas do Censo Demográfico 2022, do IBGE

São Vicente

Padre que mais batizou em SV, Feliciano Martinez morre aos 86 anos

Feliciano Arrastia Martinez estava internado desde o dia 21 de fevereiro, no Hospital Casa de Saúde, em Santos

©2024 Diário do Litoral. Todos os Direitos Reservados.

Software

Newsletter