X

Papo de Domingo

Papo de Domingo: 'Não perca tempo na hora de procurar uma recolocação profissional'

Para a coordenadora de recursos humanos Carolina Silva, muitos candidatos afirmam que começam a procura por vagas apenas no último mês do seguro desemprego. “O argumento mais comum para o comportamento é não querer perder o benefício”, comenta.

Caroline Souza

Publicado em 22/07/2018 às 11:19

Comentar:

Compartilhe:

A-

A+

A coordenadora de recursos humanos Carolina Silva. / Divulgação

O brasileiro está precisando de mais tempo para encontrar um emprego. Em 2017, a média de tempo para recolocação profissional foi de 14 meses, dois a mais na comparação com 2016. Os dados são de pesquisa do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL). 

Para a coordenadora de recursos humanos Carolina Silva, muitos candidatos afirmam que começam a procura por vagas apenas no último mês do seguro desemprego. “O argumento mais comum para o comportamento é não querer perder o benefício”, comenta. 

No entanto, iniciar a busca por um novo emprego, logo após a demissão, pode resultar em melhor aproveitamento das oportunidades. 

Carolina é psicóloga de formação e possui mais de dez anos de experiência como coordenadora de RH. Além disso, é especialista em gestão da equipe de seleção, estratégia, gestão da entrega de serviços de recrutamento e seleção, gestão do faturamento, outplacement, mapeamento de mercado e planejamento motivacional, orientativo e de integração. 

Em entrevista ao Diário do Litoral, a profissional deu dicas de como se recolocar no mercado de trabalho. 

Diário do Litoral - Quanto tempo, em média, os profissionais costumam demorar para conseguir uma recolocação no mercado?
Carolina Silva - Essa estatística mudou bastante nos últimos dois anos, temos visto candidatos chegarem a ficar 18 meses desempregados. Mas não é uma regra, conseguimos acompanhar casos de menos de seis meses, isso depende do nível e do segmento do ­profissional.

Diário - Quais os principais erros na hora de procurar por uma recolocação?
Carolina - O profissional deve sempre ter uma conduta profissional a partir da ligação do recrutador – poucos pensam sobre isso, mas o profissional já começa a ser avaliado a partir deste momento. Ou seja, é importante respeitar um dress code quando for à agência, falar baixo, não usar o celular enquanto fala com o recrutador, e demonstrar vontade e entusiasmo pela vaga. São atitudes que garantem uma recolocação mais rápida.

Diário - Quais as vantagens de procurar emprego antes de terminar o seguro desemprego?
Carolina - Além de ter mais tempo para procurar e avaliar propostas de emprego, o candidato vai mais sossegado à entrevista por não estar sem salário e costuma ir melhor por não aparentar desespero.

Diário - Há alguma situação que seja recomendável esperar o seguro desemprego acabar para procurar outra oportunidade?
Carolina - A menos que o emprego esteja garantido depois, não. Até mesmo oportunidades de trabalho temporário podem ser interessantes porque podem levar à recolocação definitiva.  

Diário - Quais os cuidados devem ser tomados na hora de elaborar o currículo? Existe um modelo de currículo ideal? 
Carolina - O candidato deve ser claro, conciso, e não mentir sobre qualidades que não vai poder comprovar. Não há um único modelo ideal, mas o candidato deve listar todos seus diferenciais de formação, experiência e idiomas e também colocar o objetivo no início do currículo. Não é aconselhável fazer um CV com mais de duas páginas.

Diário - Qual a importância do networking?
Carolina - Fundamental! O mercado tem de saber que profissional você é e que você está à procura.

Diário - Em um mercado tão competitivo, como o profissional pode se destacar?
Carolina - Ao fazer um bom currículo, movimentar o networking e mostrar boa postura nas entrevistas, ele automaticamente se mostra um candidato com potencial.

Diário - Hoje, boa parte dos currículos são enviados por email ou cadastrados em plataformas de emprego, como se destacar nestes meios?
Carolina - Da mesma forma, enviar um bom currículo e ficar de olho nos cargos  em que já tem experiência.

Diário - Algumas pessoas, mesmo não tendo as qualificações necessárias para a vaga, decidem enviar seu currículo. Isso é ­aconselhável?
Carolina - Caso o profissional esteja estudando algo diferente da sua formação original e queira mudar de área, sim, mas em geral é melhor se candidatar às vagas nas quais tem experiência. Se candidatar a qualquer vaga pelo desespero é mal visto pelas agências.

Apoie o Diário do Litoral
A sua ajuda é fundamental para nós do Diário do Litoral. Por meio do seu apoio conseguiremos elaborar mais reportagens investigativas e produzir matérias especiais mais aprofundadas.

O jornalismo independente e investigativo é o alicerce de uma sociedade mais justa. Nós do Diário do Litoral temos esse compromisso com você, leitor, mantendo nossas notícias e plataformas acessíveis a todos de forma gratuita. Acreditamos que todo cidadão tem o direito a informações verdadeiras para se manter atualizado no mundo em que vivemos.

Para o Diário do Litoral continuar esse trabalho vital, contamos com a generosidade daqueles que têm a capacidade de contribuir. Se você puder, ajude-nos com uma doação mensal ou única, a partir de apenas R$ 5. Leva menos de um minuto para você mostrar o seu apoio.

Obrigado por fazer parte do nosso compromisso com o jornalismo verdadeiro.

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

Coluna

Itanhaém prevê expansão econômica e outros assuntos

Congelamento da tarifa dos ônibus chegou ao público um pouco antes da hora

Ideia

Construtor sugere fundação nos moldes da Pinacoteca para 'novo' Escolástica Rosa

"Se formarmos um grupo e esse grupo for inteligente, envolve toda a sociedade no projeto"

©2024 Diário do Litoral. Todos os Direitos Reservados.

Software

Newsletter