Os quadrinhos no país do Carnaval

As histórias em quadrinhos têm tudo a ver com Carnaval, seja pelo colorido ou por muitos personagens andarem fantasiados ou mesmo pela alegria

Comentar
Compartilhar
26 FEV 2017Por Da Reportagem17h00

Houve um tempo no Brasil que, durante o reinado de Momo, várias editoras lançavam gibis com histórias temáticas sobre a festa mais popular do país.

A campeã em histórias de Carnaval é a Turma da Mônica, que publicou muitos volumes pelas editoras Abril Cultural e Globo. Depois da mudança de casa para a Panini, a tradição das histórias carnavalescas da turma continuou e saiu até um volume sobre as origens do Carnaval (Saiba Mais! Turma da Mônica nº 5, 2008).

Outra turma que não se cansa de comemorar a data é a dos personagens da Disney, em especial o nosso conterrâneo Zé Carioca, que já teve vários gibis com esse tema e até um almanaque especial. Vale ressaltar que o animado papagaio foi pioneiro em falar do nosso Carnaval na animação “Você já foi a Bahia?”, de 1944.

Nem o mutante mais invocado do mundo, o x-man Wolverine, escapou da magia da data. Na história especial “Rio de sangue” ele se vê às voltas com vampiros sanguinários no Rio de Janeiro justamente durante o Carnaval. Tem até algumas mulatas e samba no pé (Wolverine: Black Rio, de Joe Casey e Oscar Jiménez, 1998). A história saiu por aqui em edição especial da Pandora Books.

Um dos trabalhos mais recentes, apesar de não falar diretamente de Carnaval, é o visualmente delirante álbum de Guilherme Petreca “Carnaval de meus demônios”. Praticamente uma série de metáforas visuais sobre as dificuldades da vida, o trabalho de Petreca conserva uma deferência estilística para com o Carnaval de verdade nas “fantasias” de vários demônios. Saiu em 2015 pela editora Balão.

Um outro título nacional interessante é o divertido “Joel Madrugada e Nêga Maluca”, de Newton Foot e que fala de um carnaval que já não existe mais. Tem de Colombina a Rei Momo gigante até personagem com a cara do Groucho Marx.

Outro autor que resolveu homenagear o Carnaval do Brasil foi o italiano Lorenzo Mattotti com o livro bilíngue “Carnaval: Cores e movimentos”. Com textos de gente como a atriz Zezé Mota, o cantor Ney Matogrosso e Haroldo Costa, entre outros, o livro reúne também cerca de 90 belíssimas ilustrações de Mattotti e funciona até como um belo souvenir para estrangeiros nesta época do ano.

Amando ou não gostando tanto assim, a verdade é que nem as histórias em quadrinhos escapam do Carnaval. E, se você não quer saber da festa nem nas páginas dos quadrinhos, sempre pode aproveitar o feriadão para ler outros bons gibis.