Maragogi

É um dos destaques naturais da Costa dos Corais

Comentar
Compartilhar
09 ABR 201415h34

Em rincões como a pacata Maragogi, os movimentos de moradores e turistas são ditados por dois elementos: o sol e os horários da tábua de marés. A luz forte deixa a água do mar ainda mais cristalina e realça o recorte da barreira de corais que mancha aqueles tons esverdeados únicos. As piscinas naturais são o melhor cartão de visita desse destino no litoral norte de Alagoas.

Infelizmente, a maioria dos visitantes que chegam à região são para day-use, ou seja, provenientes de grupos que saem de Maceió ou Porto de Galinhas, no Pernambuco, para passar o dia no local. Tempo insuficiente para ver o que há de melhor na região.

Maragogi faz parte da Costa dos Corais, uma Área de Proteção Ambiental (APA) criada em 1997, que compreende 13 municípios ao longo de seus 185 km, entre o norte de Alagoas e o sul de Pernambuco. Mas a fama vem mesmo das galés de Maragogi, impressionantes piscinas naturais cercadas por extensas faixas de corais, consideradas uma das maiores do mundo.

O turismo que desenvolve a economia local permite o contato direto com os recifes de corais, rochas imensas, ao mesmo tempo rígidas e delicadas, formadas por organismos com esqueleto calcário. Os corais são bastante sensíveis ao aquecimento global e à poluição. Alguns cuidados são tomados para reduzir os danos à vida marinha. Nas piscinas, é proibido usar nadadeiras e alimentar os peixes, por exemplo. A invasão descontrolada de turistas que até dois anos preocupava ambientalistas e agentes de turismo mais conscientes já está sob controle e, atualmente, o acesso diário é controlado.

Em rincões como a pacata Maragogi, os movimentos de moradores e turistas são ditados por dois elementos: o sol e os horários da tábua de marés (Foto: Divulgação)

Nos horários de maré baixa é possível mergulhar com snorkel ou cilindro. A segunda opção inclui o acompanhamento de guias, a 5 metros de profundidade, o que permite enxergar pontos distantes e ainda intocados dos recifes coralinos. Peixinhos escondidos em grutas, anêmonas, corais-cérebro e algas multicoloridas.

Em terra firme, o centrinho desse município de 27 mil habitantes tem como principal destaque a orla de 2 km com bares, restaurantes e lojinhas.