X
Governo

Justiça proíbe Ibama de usar despacho de Salles para anistiar desmatadores em SP

Em outubro do ano passado, o órgão entrou com uma ação civil pública para impedir que o afrouxamento nas diretrizes de fiscalização do Ibama, promovido pelo ex-ministro

Embora o despacho de Salles tenha sido revogado, as brechas para a 'interpretação equivocada' da legislação se mantiveram / José Cruz / Agência Brasil

A Justiça Federal de São Paulo proibiu o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) de cancelar sanções aplicadas no Estado de São Paulo por desmatamentos e intervenções ilegais em áreas de preservação da Mata Atlântica.

A decisão é da juíza Silvia Figueiredo Marques, da 26.ª Vara Cível Federal de São Paulo, que atendeu a um pedido do Ministério Público Federal. Em outubro do ano passado, o órgão entrou com uma ação civil pública para impedir que o afrouxamento nas diretrizes de fiscalização do Ibama, promovido pelo ex-ministro do Meio Ambiente Ricardo Salles, atingisse centenas de autos de infração emitidos pela superintendência do instituto em São Paulo.

O MPF argumentou que, embora o despacho de Salles tenha sido revogado, as brechas para a 'interpretação equivocada' da legislação se mantiveram. Isso porque, mesmo após derrubar a medida, o governo entrou com uma ação de inconstitucionalidade no Supremo Tribunal Federal (STF) para saber se regras do Código Florestal se aplicam ou não para a Mata Atlântica.

"O Ministério do Meio Ambiente não anulou definitivamente as diretrizes estabelecidas no documento nem o substituiu por outro que reconhecesse expressamente a validade da Lei da Mata Atlântica. Pelo contrário, o governo federal levou o caso ao Supremo Tribunal Federal (STF), por meio de uma ação direta de inconstitucionalidade que questiona se a Lei 11.428/2006 pode se sobrepor ao Código Florestal", afirma o Ministério Público.

O despacho de Salles reconhecia como áreas de ocupação consolidada as áreas de preservação permanente (APPs) desmatadas até julho de 2008, abrindo caminho o retorno de atividades agropecuárias nessas regiões. Embora a Lei da Mata Atlântica (Lei 11.428), em vigor desde 2006, estabeleça a proteção do bioma, o ex-ministro usou como brecha o fato do Código Florestal, aprovado em 2012, ter estabelecido uma anistia para produtores rurais que desmataram ilegalmente antes de 22 de julho de 2008.

Em sua sentença, a juíza blindou autos de infração ambiental e termos de embargos, interdição e apreensão lavrados no Estado de São Paulo em razão de intervenções não autorizadas em áreas protegidas da Mata Atlântica. "A consequência lógica da revogação do Decreto [4.410/2020] só pode ser a de não se adotar o procedimento por ele recomendado", escreveu.

A magistrada defendeu que, enquanto não houver decisão do Supremo Tribunal Federal sobre o impasse, a proteção das terras deve ser garantida.

"Melhor prevenir do que remediar. Melhor impedir o dano do que tentar repará-lo depois", observou. "Se, ao contrário, os autos de infração e outras medidas tendentes a proteger as áreas não forem sendo tomadas até o referido julgamento e, por hipótese, o C. STF entender que a Lei da Mata Atlântica deve se sobrepor ao Código Florestal, aí poderá ser tarde demais e haver danos irreversíveis", completou.

Deixe a sua opinião

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

Dois PMs morrem com suspeita de febre maculosa durante curso

Vítimas eram instrutores da COPC, que teve uma fase de curso em área de mata. Casos seguem em análise pela Fiocruz

Se já estava ruim, vai piorar! Petrobras anuncia novo aumento nas refinarias

Reajuste passa a valer nesta terça-feira (26) para gasolina e diesel

©2021 Diário do Litoral. Todos os Direitos Reservados.

Layout

Software