Guarujá debate medidas para minimizar impactos da safra de grãos 2014

Que será iniciada oficialmente a partir dos primeiros dias de fevereiro

Comentar
Compartilhar
16 JAN 201416h43

Reunião realizada na Secretaria de Transporte do Estado de São Paulo na última quarta-feira (8) discutiu as providências a serem tomadas pela Codesp, Estado, Operadores Portuários e Prefeitura de Guarujá para tentar minimizar os impactos do escoamento da safra de grãos 2014, que será iniciada oficialmente a partir dos primeiros dias de fevereiro.

Na ocasião, a Prefeita Maria Antonieta de Brito, foi representada pelo vice-prefeito e secretário de Infraestrutura e Obras, Duino Verri Fernandes, o secretário de Defesa e Convivência Social, Vagner Pereira e a diretora de Trânsito e Transporte, Quetlin Scalioni, que anunciaram aos presentes as medidas tomadas pela Administração Municipal para minimizar os impactos sobre a população guarujaense.

Na ocasião, foi apresentado que o Município firmou convênio com as empresas portuárias e a Codesp, que permitirá a construção do acesso provisório ao porto. O local definido para o novo acesso fica em área das empresas Fassina e Dow Química. Quando concluído, possibilitará a separação dos caminhões de grãos e contêineres no momento de entrar na Cidade em direção ao Porto.

Além disso, o Município cobrou da Codesp e das empresas portuárias maior eficiência no agendamento dos caminhões que vêm descarregar no Porto de Guarujá, lembrando a todos os presentes à reunião que a Cidade está localizada em uma ilha e que seu povo não pode mais ser penalizado pela vinda desordenada de carga para o Porto.

“Nós da Prefeitura estamos totalmente à disposição do Estado, da Codesp e das Operadoras Portuárias para buscar soluções para o problema do escoamento da safra. Fizemos a nossa parte e firmamos o convênio com a Codesp e as empresa para a construção do Acesso Provisório, que tão logo obtenha a licença ambiental necessária, será concluído em pouco mais de 90 dias. Agora dependemos do bom senso das empresas e de maior eficiência por parte da Codesp para impedir os congestionamentos de caminhões que pararam a Cidade em 2013”, disse Duino.