X
Governo

EUA e Otan encerram formalmente sua missão no Afeganistão

O secretário-geral da Otan, Jens Stoltenberg, disse que as forças afegãs estão prontas para assumir sozinhas o combate à insurgência

Os Estados Unidos e a Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) vão marcar formalmente o final da guerra no Afeganistão neste domingo, com uma cerimônia em sua sede militar em Cabul, embora a insurgência combatida nesses 13 anos continue tão violenta e mortal quanto na época da invasão do país em 2011, que derrubou o regime do Taleban após os ataques de 11 de Setembro.

A cerimônia simbólica vai marcar o fim da Força Internacional de Assistência para Segurança (Isaf, na sigla em inglês), liderada pelos Estados Unidos, que passará a ter papel de apoio para as Forças Armadas afegãs, com 13.500 homens - a maioria norte-americanos - a partir de 1º de janeiro.

O presidente Ashraf Ghani, que assumiu o cargo em setembro, assinou acordos de segurança bilaterais com Washington e a Otan, permitindo a presença militar dos estrangeiros.

A medida resultou num aumento da violência, já que o Taleban usou o acordo como desculpa para intensificar suas operações, cujo objetivo é desestabilizar o governo.

EUA e Otan encerram formalmente sua missão no Afeganistão (Foto: MASSOUD HOSSAINI)

A Isaf foi estabelecida depois da invasão liderada pelos Estados Unidos como um guarda-chuva para os cerca de 50 países da coalizão que forneceram tropas e assumiram a responsabilidade pela segurança no Afeganistão.

A missão é encerrada com um total de 2.224 soldados norte-americanos mortos, o maior saldo dentre os cerca de 3.500 militares estrangeiros que perderam a vida no país, segundo dados compilados pela Associated Press.

Em 2010, número de militares estrangeiros em solo afegão chegou ao máximo, com 140 mil tropas , após ordem emitida pelo presidente Barack Obama com o objetivo de expulsar insurgentes de regiões de importância estratégica, principalmente das províncias de Helmand e Kandahar, onde o Taleban estabeleceu sua capital entre 1996 e 2001.

Os afegãos têm sentimentos confusos sobre a saída das tropas estrangeiras. Muitos acreditam que com a deterioração das condições de segurança, a presença desses militares é necessária para apoiar os esforços afegãos para levar a paz ao país, após mais de três décadas de guerra contínua.

O ano de 2014 foi violento para as forças de segurança afegãs - Exército, paramilitares e polícia - com cerca de 5 mil mortes registradas até agora. A maioria dessas mortes, cerca de 3.200, foi de policiais, segundo Karl Ake, atual diretor da EUPOL, a missão policial da União Europeia no Afeganistão, cujos recursos financiam em treinam a força policial de 157 mil homens.

O secretário-geral da Otan, Jens Stoltenberg, disse que as forças afegãs estão prontas para assumir sozinhas o combate à insurgência, apesar das reclamações de oficiais a respeito da falta de meios necessários, como apoio aéreo, médico e de inteligência. 

Deixe a sua opinião

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

Dois PMs morrem com suspeita de febre maculosa durante curso

Vítimas eram instrutores da COPC, que teve uma fase de curso em área de mata. Casos seguem em análise pela Fiocruz

Se já estava ruim, vai piorar! Petrobras anuncia novo aumento nas refinarias

Reajuste passa a valer nesta terça-feira (26) para gasolina e diesel

©2021 Diário do Litoral. Todos os Direitos Reservados.

Layout

Software