Ellen Tejle contará sua experiência na luta pela igualdade de gênero no audiovisual

Sueca ministrará a palestra na quinta-feira (6), às 19h, na Unimonte. A realização é do Coletivo Vermelha e Mulheres do Audiovisual Brasil, em parceria com Instituto Querô

Comentar
Compartilhar
30 MAR 2017Por Da Reportagem20h37
Ellen Tejle contará sua experiência na luta pela igualdade de gênero no audiovisualEllen Tejle contará sua experiência na luta pela igualdade de gênero no audiovisualFoto: Divulgação

O Coletivo Vermelha e o Instituto Querô, em parceria com as Mulheres do Audiovisual Brasil realizarão, nesta quinta-feira (6), em Santos, uma palestra com a sueca Ellen Tejle sobre igualdade de gênero no audiovisual, racismo e sexismo. O bate-papo aberto ao público acontecerá na Universidade Monte Serrat -Unimonte, das 19 às 21 horas. A entrada é gratuita.

Ellen estará, nesta quinta-feira (30), no Seminário Internacional sobre a Representatividade da Mulher no Audiovisual, no Rio de Janeiro. É a segunda vez que Ellen vem ao Brasil para compartilhar sua experiência na luta pela igualdade de gênero no audiovisual e como a Suécia diminuiu a desigualdade, conseguindo com que 50% dos filmes financiados pelo Swedish Film Institute fossem dirigidos por mulheres.

Ellen Tejle é programadora e diretora da sala Bio Rio, em Estocolmo. É também promotora do selo Bechdel, que mede a presença feminina nos filmes, além de criadora da campanha A-rating, que classifica filmes de acordo com a representatividade feminina de seu conteúdo.

A palestra será feita em inglês com tradução consecutiva para o português. O evento também tem apoio da Unimonte e Prefeitura de Santos.

Os números da desigualdade

Em 2015, somente 38% dos filmes suecos foram dirigidos por mulheres. No Brasil, segundo dados da Ancine, somente 19% das obras registradas em 2015 foram dirigidas por mulheres.

Tratando-se de igualdade racial, o estudo da University of Southern Califórnia, analisou os filmes mais populares de Holywood entre 2007 e 2014 e menos de 15 (0,004% especificamente) foram dirigidos por diretores negros. No Brasil, segundo estudos do GEMAA (Grupo de Estudos Multidisciplinares da Ação Afirmativa da UERJ), somente 3% dos diretores dos filmes de maior bilheteria da última década são negros, sendo que não há mulheres negras nesses 3%.

O que isso representa? Qual o impacto disso na representação das mulheres no audiovisual? Como a Suécia diminuiu essa desigualdade, conseguindo que 50% dos filmes financiados pelo Swedish Film Institute sejam dirigidos por mulheres? O que mais há para conquistar? Tudo isso será debatido no bate-papo com Ellen Tejle.

Bate-papo com sueca Ellen Tejle na Unimonte

Quando: 6 de abril
Horário: 19 às 21h
Local: Auditório da Unimonte (Rua Comendador Martins, 52 - Vila Matias - Santos/SP)
Entrada: gratuita