De canivete a revólver

Comentar
Compartilhar
07 NOV 2017Por Da Reportagem00h00

A maior preocupação, segundo o autor da proposta, é com relação à possibilidade de alunos ingressarem no ambiente escolar munidos de facas, canivetes e, sobretudo, armas de fogo. “É cada vez mais recorrente ouvirmos notícias sobre atrocidades que têm sido praticadas contra estudantes e professores. A ideia não é constranger, mas sim, preservar a vida das pessoas”, argumenta Nego Walter.