Casais formados

Por meio da convivência diária, algumas relações afetivas se intensificam no lar

Comentar
Compartilhar
26 FEV 201517h31

Ladislau André de Rezendo Filho, de 89 anos, e Tereza Evangelista de Lima, de 63 anos, são um casal. Orgulham-se, ao posarem para fotos, da união iniciada em dezembro do ano passado dentro do Lar Vicentino.

“Foi de repente. Ela ficou deitada no meu ombro e daí para frente…”, comemora Ladislau. O idoso diz que tem ao seu lado uma excelente companheira para as atividades do cotidiano. Tereza, quando questionada sobre a principal virtude do companheiro, olha para o rosto dele e elogia as feições.

Crédito: Matheus Tagé/DL


Elza Bevilacqua, de 89 anos, se relaciona desde o final do ano passado com um morador do lar de 91 anos. “É um ‘namorinho passatempo’. A gente fica de mãozinha dada conversando, não tem mal nenhum. Eu vejo esse senhor uma hora por dia. A gente acaba de almoçar e ficamos sentados lá no banco, conversando.”

O que a idosa mais admira no novo companheiro é o respeito que ele tem por ela. Elza é conhecida no lar como uma das mulheres mais cuida da aparência. “Quando eu levanto, depois do meu banho, já me maquio, já me visto e vamos em frente”, relata.